Ministério da Saúde inicia plano de flexibilização do isolamento social em estados e municípios

Marcella Fernandes

O Ministério da Saúde iniciou um plano de flexibilização das medidas de distanciamento social adotadas como resposta à pandemia do novo coronavírus. O boletim epidemiológico publicado nesta segunda-feira (6) prevê que cidades e estados em que os sistema de saúde esteja em situação menos crítica adotem o chamado Distanciamento Social Seletivo (DSS), em vez do Distanciamento Social Ampliado (DSA).

No modelo seletivo, apenas grupos considerados de risco, como idosos sintomáticos ou pessoas com doenças crônicas, ficam isolados. O restante da população pode retomar as atividades econômicas. De acordo com o documento, “pessoas abaixo de 60 anos podem circular livremente, se estiverem assintomáticos”. 

Esse tipo de sistema tem sido defendido pelo presidente Jair Bolsonaro, em oposição ao distanciamento mais amplo. Nesse outro modelo, adotado em estados como São Paulo e no Distrito Federal, todos os setores da sociedade permanecem na própria residência de acordo com medidas editadas por prefeitos e governadores. 

A terceira forma de controle prevista pela pasta é o lockdown, em que todas as entradas de determinado local são bloqueadas por profissionais de segurança e ninguém tem permissão de entrar ou sair do perímetro isolado. A pasta prevê que essa estratégia pode ser necessária em situação de grave ameaça ao sistema de saúde.

Segundo o boletim, “a partir de 13 de abril, os municípios, Distrito Federal e estados que implementaram medidas de Distanciamento Social Ampliado (DSA), onde o número de casos confirmados não tenha impactado em mais de 50% da capacidade instalada existente antes da pandemia, devem iniciar a transição para Distanciamento Social Seletivo (DSS)”.

Países como o Reino Unido optaram por esse caminho e tiveram que recuar diante da aceleração descontrolada de casos da covid-19. Nessa estratégia, os grupos vulneráveis continuam em contato com pessoas infectadas assintomáticas ou sintomáticas, o que...

Continue a ler no HuffPost