Ministério Público Militar arquiva investigações sobre Pazuello e comandante da Aeronáutica

·1 minuto de leitura
O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (Foto: REUTERS/Bruno Kelly)
O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello (Foto: REUTERS/Bruno Kelly)
  • O Ministério Público Militar apurou participação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em um ato político, conduta vedada aos oficiais da ativa

  • Pazuello discursou ao lado do presidente Jair Bolsonaro em maio no Rio de Janeiro

  • O órgão arquivou a investigação e também aplicou o mesmo entendimento ao comandante da Aeronáutica

O Ministério Público Militar chegou à conclusão de que a participação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em um ato político ao lado do presidente Jair Bolsonaro não pode ser enquadrada como crime militar. A informação é do jornal Folha de São Paulo.

Ainda de acordo com a reportagem, o órgão também aplicou o mesmo entendimento ao caso do comandante da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista Júnior, por usar suas redes sociais para fazer postagens alinhadas ao que defendem os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Leia também:

Os casos ganharam repercussão porque os militares da ativa não podem fazer ou participar de manifestações políticas.

O caso de Pazuello foi analisado depois que ele discursou em um evento ocorrido em 23 de maio de apoiadores de Bolsonaro no Rio de Janeiro.

Ainda de acordo com a matéria, o Ministério Público Militar recebeu denúncias sobre as atitudes de Pazuello e de Baptista Júnior por meio da Ouvidoria e abriu notícias de fato para apurar os dois casos. Ambos tiveram como desfecho o arquivamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos