Ministério revela que aumento da conta de luz não supre gastos do governo

·1 minuto de leitura
Conta de luz com calculadora ao lado
Motivo apontado foi a alta nos combustíveis

(Getty Images)

  • Ministério de Minas e Energia afirmou que aumento na conta de luz não é suficiente;

  • Isso significa que os gastos a 'bandeira escassez hídrica', não cobre os gastos com energia elétrica;

  • Desde setembro, os consumidores passaram a pagar R$ 14,20 por 100 kWh consumido.

O Ministério de Minas e Energia afirmou, nesta quarta-feira (13), que a ‘bandeira escassez hídrica’ não cobre os gastos do governo com energia elétrica. A medida foi tomada para conter a maior crise que assola o Brasil desde os últimos 91 anos e elevou, para R$ 14,20, o valor do consumo de 100 kWh.

“A bandeira ‘escassez hídrica’… não será suficiente para a cobertura de todos os recursos que nós utilizamos para a segurança energética”, informou Marisete Dadald, secretária-executiva do Ministério.

De acordo com Dadald, o motivo é a alta no preço dos combustíveis, utilizados na geração de energia pelas termelétricas. Para evitar riscos de racionamento, o governo acionou todas as usinas em maio deste ano.

Aprovada em setembro, a ‘bandeira escassez hídrica’ é quase 50% mais cara que a bandeira vermelha patamar 2, que cobrava R$ 9,49 por 100 kWh.

Gastos da Presidência com luz sobem R$ 5,2%

Apesar do governo federal pedir “uso consciente” de luz aos consumidores, os gastos da Presidência subiram 5,2% entre junho e agosto deste ano. Ao todo, foram consumidos 2.335.881 kWh.

Em setembro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fazer um apelo à população, pedindo que apague "uma luz em casa" para economizar energia, tome banhos frios e evite o uso de elevadores. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos