Ministra Anielle Franco cria tendência com looks africanos de estilista do Mercadão de Madureira, formada quando Marielle foi morta

Os looks usados por Anielle Franco nas posses do Presidente Lula e em sua própria posse como ministra da Igualdade Racial estão dando o que falar. Feitos sob medida para ela, com tecidos vindos de diferentes países da África, os modelos já criaram uma tendência e são os mais pedidos na loja da estilista Fernanda Carvalho, no Mercadão de Madureira, na Zona Norte do Rio.

"Não para de chegar mensagem depois que a ministra apareceu usando o maxikimono e o conjunto de capa, cropped e pantalona. Muita gente está encomendando", conta, satisfeita, a profissional.

A estilista ressalta, porém, que os modelos podem ser reproduzidos, mas os tecidos escolhidos por Anielle foram exclusivos. "Só mesmo ela vai ter as peças nestas estampas", avisa Fernanda, que conheceu Anielle por intermédio de amigos, e teve pouco tempo para produzir os looks dos dois eventos: "Ela me procuru com a proposta de fazer um kuimono simples, mais curto. Apresentei o maxi, já que é uma mulher alta. A estampa escolhida para a posse do presidente veio de Gana, e é usado por reis e rainhas em ocasiões muito especiais. O da posse dela foi importado de Benin".

Pelo modelo da posse presidencial, Anielle pagou R$ 350. No de seu grande dia, as três peças custaram R$ 980. "Tento cobrar valores acessíveis porque quero que mais e mais gente possa usar roupas que têm a ver com o resgate da ancestralidade", diz Fernanda. Ela adianta que, no entanto, não faz roupas apenas para pesoas pretas: "Tenho clientes brancas também e sei que tem gente que critica. Mas cada um usa o que quiser".

Das coincidências da vida, Fernanda não chegou a fazer roupas para Marielle Franco, irmça de Anielle, a quem já admirava. Na noite de sua formatura a vereadora foi assassinada. "Já tem quase cinco anos isso e nunca vou me esquecer", diz.

Nos planos da estilista, estão expandir a marca, que nasceu quando conheceu o namorado, africano e importador dos tecidos, e, quem sabe, continuar vestindo Anielle. "Ela era a parte que faltava para eu saber que estou no caminho certo", comemora.

Se depender do estilo da ministra, Fernanda não tem com o que se preocupar. O guarda-roupa de Anielle é para lá de colorido e com muitas referências da África, tanto nos tecidos quanto nos acessórios, que ela adora usar.