Ministro da CGU afirma que não houve superfaturamento na compra da Covaxin porque não teve pagamento

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF,  BRASIL,  29-07-2021, Os ministro Wagner Rosário (FOTO) (CGU)   (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, BRASIL, 29-07-2021, Os ministro Wagner Rosário (FOTO) (CGU) (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em depoimento à CPI da Covid, o ministro da CGU (Controladoria Geral da União), Wagner Rosário, afirmou nesta terça-feira (21) que não houve "superfaturamento" na compra da vacina indiana Covaxin, porque não se chegou à fase de pagamento.

"Superfaturamento é um ato que acontece após o pagamento e o desembolso financeiro acima do valor de mercado. Esse caso não teve a contratação efetivamente e por óbvio não houve pagamento. Então, assim, eu afirmo ao senhor que não houve superfaturamento no contrato", afirmou.

O ministro ainda leu trecho de relatório da CGU, que recomendou a suspensão do contrato e não seu cancelamento, no qual se afirma que o preço cobrado do Ministério da Saúde, no contrato intermediado pela Precisa Medicamentos, é inferior ao cobrado pela indiana Bharat Biotech no mercado internacional.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) rebateu a declaração, afirmando que documentos da própria CGU mostra que o sobrepreço era uma preocupação dos auditores da Controladoria.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos