Ministro da Defesa diz não ter noção do que pode ter acontecido com desaparecidos

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  03-05-2022 - O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira (à esq) durante reunião com o presidente do STF, ministro Luiz Fux, em Brasília. (FOTO Gabriela Biló /Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 03-05-2022 - O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira (à esq) durante reunião com o presidente do STF, ministro Luiz Fux, em Brasília. (FOTO Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, afirmou nesta quarta-feira (8) que não houve atraso das Forças Armadas para atuar na busca do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, desaparecidos desde domingo (5) na região do Vale do Javari (AM).

"Tão logo surgiu a notícia, passei uma mensagem ao grupo dos comandantes das Forças [Armadas] e mandei imediatamente colocar o que tinha de perto à disposição."

O ministro disse que 150 militares estão atuando nas buscas dos desaparecidos. "[O Vale do Javari] é uma área crítica, muito sensível, tem muito problema na área. A gente não tem a noção do que pode ter acontecido", disse.

"A gente torce e reza para que eles sejam encontrados os dois com vida, sãos e salvos. O esforço da Defesa da Defesa com as Forças para a gente ajudar nas buscas dos dois não há dúvida."

As declarações ocorreram durante uma audiência na Câmara dos Deputados. O ministro foi convidado para dar esclarecimentos sobre a compra pelas Forças de 35.320 comprimidos de Viagra, medicamento usado para o tratamento de disfunção erétil.

Segundo Paulo Sérgio, a impressão de que houve atraso para o trabalho de buscas das Forças Armadas é resultado da dificuldade de acesso ao Vale do Javari.

"O helicóptero mais próximo é de Manaus, e ele estava pronto, na manhã desta segunda (7), para levantar voo e atuar na área. A Marinha da mesma forma. Não houve retardo e, considerando as distâncias e o tamanho da Amazônia, pode parecer que houve retardo."

Phillips e Pereira desapareceram enquanto viajavam da comunidade de São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte. O trajeto deveria durar cerca de duas horas, mas ambos não retornaram à cidade.

Segundo a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari) e o Opi (Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato), o último registro que se tem dos dois aconteceu na manhã do domingo, na comunidade de São Rafael.

As entidades afirmam que o indigenista vinha sofrendo ameaças.

A Polícia Militar do Amazonas prendeu um homem na terça-feira (7) que seguiu Bruno Pereira e Dom Phillips pelo rio Itacoaí na manhã em que eles desapareceram. Segundo as autoridades policiais, o suspeito foi flagrado portando munição proibida.

Segundo divulgou a PM, testemunhas que viram a lancha de Pereira e Phillips descer o rio rumo a Atalaia do Norte no domingo "avistaram também uma outra lancha de cor verde, com o slogan da 'Nike' bem visível, que trafegava no rio, logo após passar a lancha dos desaparecidos".

Na audiência na Câmara, o ministro Paulo Sérgio ainda negou que as Forças Armadas estejam politizadas.

Para ele, a entrada de militares no governo Jair Bolsonaro não significa alinhamento político-partidário.

"Pelas origens militares do presidente, que foi formado na Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), ao ser eleito ele se usou de alguns militares. Nós somos cidadãos comuns, estudados e capacitados para atuar em um dos Poderes como oficiais da reserva. Nesse sentido, fica a impressão de que essa cooptação de militares para trabalhar no Executivo seja politização, mas não há politização nas Forças Armadas."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos