Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, pede demissão

·2 minuto de leitura
RORAIMA, BRAZIL - JUNE 30: Defense Minister Fernando Azevedo e Silva visit 4 Special Border Platoon during Yanomami / Raposa Serra do Sol Mission amidst at the coronavirus (COVID-19) pandemic at the 4 Special Border Platoon in the city of Alto Alegre on July 01, 2020 in Roraima, Brazil. The mission involves several ministries and seeks to intensify indigenous health care and Covid-19 prevention. Brazil has over 1,402,000 confirmed positive of Coronavirus cases, with 147 among Yanomamis, and 59,594 deaths across the country and 4 among Yanomamis. (Photo by Andressa Anholete / Getty Images)
Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, vai deixar o posto (Foto: Andressa Anholete / Getty Images)
  • Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa, pediu demissão

  • Ele não justificou a saída, mas alegou que "sempre tentou preservar as forças armadas"

  • Azevedo e Silva estava no cargo desde o governo de transição, em 2018

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, anunciou que deixará o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em nota, ele afirma que sai "na certeza da missão cumprida".

Apesar do anúncio de saída, Azevedo e Silva não justificou o motivo para deixar o Ministério da Defesa no governo. Ele foi anunciado por Bolsonaro ainda em 2018, durante o governo de transição. Antes de ser ministro, ele era assessor do então presidente ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli.

Leia também:

"O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira", afirmou Azevedo e Silva na nota. O texto destacou o papel das forças armadas. Segundo o agora ex-ministro, ele tentou preservar a instituição

Segundo a jornalista Andréia Sadi, do G1, o próprio presidente teria pedido o cargo de Azevedo e Silva. Bolsonaro teria a pretensão de fazer uma reforma ministerial e, por isso, quis o espaço ocupado pelo general.

O ministro da Defesa é o segundo que anuncia a saída do cargo nesta segunda-feira (29) que anuncia a saída do cargo. Segundo noticiou a rádio CBN, o ministro Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, já informou aos assessores que deixará o cargo.

Além deles, outro ministro que deixou o cargo recentemente foi Eduardo Pazuello, que ocupava a pasta da Saúde.

Leia a nota completa:

"Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa.

Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.

O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira.

Saio na certeza da missão cumprida.

Fernando Azevedo e Silva"