Ministro da Defesa foi envenenado por ataques de Bolsonaro a urnas, relataram senadores em jantares

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  07-06-2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto.  (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 07-06-2022 - O presidente Jair Bolsonaro participa de Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em dois encontros em maio com integrantes do STF (Supremo Tribunal Federal), senadores relataram que o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, está "envenenado" pelo discurso de Jair Bolsonaro (PL) contra as urnas eletrônicas e que partilha das acusações de que o ministro Alexandre de Moraes perseguiria o presidente.

Eles compartilharam relatos de encontros com Nogueira nos últimos meses e afirmaram que o ministro defende os mesmos argumentos, mas sem a mesma ênfase de Bolsonaro. Quando contestado, não insistiu nos temas, disseram os senadores.

Em uma das reuniões, Moraes ouviu os relatos e reagiu em tom de brincadeira, dizendo que ainda não fez nada. Em outro encontro, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) sugeriu que os ministros do STF buscassem representantes dos militares para um diálogo sobre a democracia no Brasil.

Os encontros ocorreram nas casas da senadora Kátia Abreu (PP-TO) e da ministra Cármen Lúcia, e tiveram como objetivo integrar senadores que estão articulando um grupo em defesa da democracia e, mais especificamente devido ao momento atual, do STF.

Nesta sexta-feira (10), Nogueira apresentou uma tréplica ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na discussão sobre as eleições e disse que as Forças Armadas "não se sentem devidamente prestigiadas".

O documento rebate análise do tribunal que apontou erros de cálculos e confusões de conceitos ao rejeitar, em maio, sete propostas dos militares de mudanças nos procedimentos das eleições.

A Defesa reforçou as suas propostas ao TSE no momento em que Bolsonaro amplia os questionamentos ao processo eleitoral e faz insinuações golpistas.

Nogueira afirma que as propostas dos militares não foram discutidas tecnicamente. "Até o momento, reitero, as Forças Armadas não se sentem devidamente prestigiadas por atenderem ao honroso convite do TSE para integrar a CTE [Comissão de Transparência das Eleições]", afirma o ministro.

"Até o momento, não houve a discussão técnica mencionada, não por parte das Forças Armadas, mas pelo TSE ter sinalizado que não pretende aprofundar a discussão", disse ainda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos