Ministro da Defesa do Peru diz que estrangeiros "separatistas" estimulam protestos violentos

Presidente do Peru, Dina Boluarte, ao lado de Jorge Chávez durante posse dele como ministro da Defesa do país em Lima

LIMA (Reuters) - O ministro da Defesa do Peru, Jorge Chávez, acusou nesta quinta-feira estrangeiros de incitar protestos com o objetivo de encorajar o separatismo no sul do país, enquanto as tensões aumentam depois que o ex-presidente Pedro Castillo foi deposto no mês passado.

"Eles entraram não só com a intenção de atiçar a violência, mas também para integrar no país essa ideia separatista de uma parte de nossa região", disse Chávez em entrevista coletiva.

Chávez não especificou a nacionalidade dos que entraram no país, mas em entrevista à TV local na quarta-feira disse ter noticiado a presença de cinco bolivianos em um protesto na região fronteiriça de Puno.

Ele disse que o governo está trabalhando em ações legais contra aqueles que supostamente cruzaram a fronteira clandestinamente.

Em Puno e em outras partes do sul de inclinação eleitoral historicamente à esquerda, alguns líderes de protestos estão falando em se separar de Lima e do norte do Peru.

Os protestos no Peru começaram no início de dezembro, depois que Castillo foi destituído do cargo e detido depois de tentar dissolver o Congresso ilegalmente.

Multidões saíram às ruas exigindo a renúncia da nova presidente Dina Boluarte, o fechamento do Congresso, uma mudança na Constituição e a libertação de Castillo. Os protestos recomeçaram na quarta-feira, após uma pausa no período de Natal e Ano Novo.

(Reportagem de Marco Aquino)