Ministro da Justiça afirma que operação de segurança das eleições terá foco em crimes de boca de urna e compra de voto

O ministro da Justiça Anderson Torres apresentou o planejamento de segurança para as eleições deste domingo e afirmou que um dos focos do trabalho será coibir os crimes de boca de urna e compra de votos.

Debate na Globo: Lula e Bolsonaro fazem último embate do segundo turno; colunistas comentam

Violência: Ex-vereador do PT é assassinado na Grande São Paulo

De acordo com o ministro, o efetivo empregado na operação, que inclui Polícia Federal, Rodoviária Federal e as polícias militares e civis dos estados, devem totalizar cerca de 500 mil policiais.

— Eu gostaria de destacar apenas que nós estamos com um foco muito grande principalmente para dois crimes eleitorais que nos chamam e nos chamaram atenção no primeiro turno. A boca de urna e a compra de votos — afirmou.

Segundo ele, as forças de segurança já apreenderam R$ 10 milhões desde a reta final do primeiro turno até agora que, de acordo com as investigações, seriam usados para compra de voto. A fiscalização terá também uso de drones para ajudar na identificação desse tipo de crime.

O ministro disse ainda que as forças de segurança tiveram que se adequar para auxiliar no cumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autorizou prefeitos a liberar transporte gratuito para os eleitores no domingo. Afirmou também que as polícias estaduais cuidarão da segurança das comemorações após a divulgação do resultado das eleições

— Nosso objetivo como eu sempre disse é manter a tranquilidade no dia das eleições, garantir que o povo brasileiro possa exercer livremente o seu direito ao voto — afirmou.