Ministro da Justiça diz que já foram apreendidos R$ 10 milhões para suposta compra de votos

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 26.05.2021 - O ministro da Justiça, Anderson Torres. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 26.05.2021 - O ministro da Justiça, Anderson Torres. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Justiça, Anderson Torres, disse que já foram apreendidos R$ 10 milhões por suposta compra de votos desde o início do período eleitoral, em 16 de agosto. Entretanto, não houve detalhamento em quais estados e para quais candidatos.

"Isso [compra de votos] fere de morte o direito do livre votar do povo brasileiro. A PF e PRF estarão extremamente atentas a esse tipo de crime no Brasil. Isso não será admitido, não será tolerado, isso é crime. Que fique o nosso recado para a população brasileira, para o povo brasileiro", disse.

O ministro destacou que cerca de 500 profissionais das forças de segurança atuarão no 2° turno da eleição, em 30 de outubro em todo o país.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública registrou 1.378 ocorrências somente no 1° turno da eleição, em 2 de outubro. Desse total, 456 casos foram por boca de urna, 95 por compra de voto e corrupção eleitoral e 80 por tentativa de violar o sigilo do voto.

Eleitores e até mesmo um candidato foram presos nas capitais e cidades do interior do país por suspeita de boca de urna, agressões e tumulto nos locais de votação. Foram registradas 352 prisões por supostos crimes eleitorais.