Ministro da Saúde acredita que Brasil terá vacina contra a dengue em um ano

Constança Tatsch
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, visita o laboratório World Mosquito Program (WMP), da Fiocruz, onde são preparados os mosquitos com a bactéria wolbachia, que serão soltos

RIO — O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, acredita que em um ano o Brasil terá uma vacina contra a dengue, produzida pelo Instituto Butantan, de São Paulo.

—Temos uma expectativa boa, sou otimista em relação à vacina. Ela está indo muito bem, tem marcado só gol e está na última fase pré-licença em vários continentes. A gente acha que nessa época, para o verão do próximo ano, já vai contar com essa vacina, dose única, para os quatro vírus e 90% de bloqueio — afirmou.

O ministro esteve nesta segunda-feira em Niterói para divulgar uma outra frente de ação contra a dengue: a liberação de mosquitos Aedes aegyptiinfectados com a bactéria Wolbachia, que reduz a capacidade dos insetos de transmitir dengue, chicungunha e zika.

Sobre a produção da vacina pelo Butantan, Mandetta afirmou que o instituto já fechou uma parceria com a farmacêutica americana Merck Sharp and Dohme e já está construindo a fábrica para as vacinas.

— Os cientistas já viram que a vacina é extremamente eficaz ou não estariam construindo uma fábrica. Mas ficam (sem vacinas) a zika e a chicungunha. Por isso, precisamos de várias frentes: vacina, Wolbachia, educação da população e ações de vigilância epidemiológica — disse.

O Instituto Butantan informou, em nota, que "embora a fase de ensaios clínicos de nossa vacina da dengue esteja bastante avançada, ainda não é possível precisar uma data para que ela seja disponibilizada para a população. No cenário mais otimista, a vacina poderá ficar pronta em 2021, porém fatores que fogem ao nosso controle, como o número de casos de dengue na população, podem prolongar este prazo".

Cerca de 17 mil pessoas de 16 centros de todo o país foram vacinadas em 2016, um terço com placebo. Essas pessoas devem ser monitoradas por 5 anos, prazo que deve vencer em 2021. Depois, o estudo é submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitando registro. Com ele, a vacina começa a ser produzida em larga escala e fica disponível para comercialização.

Aedes com bacteria

O método Wolbachia reduziu em 75% os casos de chicungunha em 33 bairros na região de Niterói. O ministério não tem informação sobre a evolução dos casos de dengue e zika sob o método.

As primeiras liberações dos mosquitos infectados ocorreram em 2015 nos bairros de Jurujuba, em Niterói, e Tubiacanga, na Ilha do Governador.

Em 2016 a ação foi ampliada em larga escala na cidade e, em 2017, no município do Rio.

Além do Brasil, também desenvolvem ações do programa países como Austrália, Colômbia, Índia, Indonésia, Sri Lanka e Vietnã.

A Wolbachia está naturalmente presente na maioria dos insetos, mas não é encontrada nos Aedes aegypti.

No próximo ano haverá soltura em Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG) e haverá nova expansão ainda em 2020 para Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM).