Ministro da Saúde se irrita ao ser perguntado sobre Covaxin

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, irritou-se nesta quarta-feira ao ser questionado se o governo mantém a intenção de comprar a vacina indiana Covaxin, cuja aquisição está sendo investigada pelo Ministério Público Federal (MPFF) e pela CPI da Covid. Queiroga ressaltou que o ministério ainda não comprou nenhuma dose, mas não quis responder se irá adquirir pelo mesmo preço negociado.

— Todas as vacinas que tem registro, definitivo ou emergencial, o ministério considera para aquisições. Então esperamos esse tipo de posicionamento para tomar uma posição acerca não só dessa vacina, mas de qualquer outra vacina que obtenha registro emergencial ou definitivo na Anvisa — disse Queiroga inicialmente, após cerimônia no Palácio do Planalto, ressaltando que ainda não há registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Depois, ao ser questionado sobre se o governo irá comprar a vacina, o ministro demonstrou incômodo e disse que havia falado "português".

— Eu falei em que idioma? Eu falei português. Não foi comprada uma dose sequer da vacina Covaxin nem da Sputnik.

Após insistência sobre a intenção de comprar o imunizante no futuro, Queiroga disse que não poderia falar sobre isso e abandonou a entrevista:

— Futuro é futuro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos