Ministro da Saúde anuncia antecipação de 2 milhões de doses da Pfizer

Ana Paula Ramos
·2 minuto de leitura
Ministro da Saúde
Ministro da Saúde
  • Ministro da Saúde anuncia antecipação de 2 milhões de doses da Pfizer

  • No total, serão 15,5 milhões até junho

  • Marcelo Queiroga deu entrevista coletiva hoje, após reunião do Comitê de Enfrentamento da Covid

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta quarta-feira (14) a antecipação de dois milhões de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer, totalizando 15,5 milhões até junho. O anúncio foi feito em entrevista coletiva, após reunião do Comitê de Enfrentamento da Covid, que reúne o governo e o Congresso para discutir ações contra a pandemia.

A previsão inicial era de 14 milhões de doses até junho. Dessas, 1 milhão de doses deve chegar nos últimos dias de abril. O Ministério da Saúde conseguiu antecipar uma parte das doses previstas inicialmente para o segundo semestre.

"Uma boa notícia que é justamente a antecipação de doses da vacina Pfizer, fruto de uma ação direta do presidente da República, Jair Bolsonaro, com o executivo principal da Pfizer, que resulta em 15,5 milhões de doses da Pfizer já no mês de abril, maio e junho", afirmou o ministro.

Leia também

Em agosto, o Ministério da Saúde ignorou a proposta da Pfizer para aquisição dos imunizantes. Depois, já em 2021, o governo fechou contrato com a empresa para fornecimento de 100 milhões de doses, mas grande parte está prevista para chegar só no segundo semestre.

"Ou seja, conseguimos antecipar no calendário anteriormente previsto das 100 milhões de doses, 2 milhões de doses da vacina da Pfizer, que vão fortalecer o nosso calendário de vacinação", acrescentou Queiroga.

A vacina já tem o registro definitivo da Anvisa.

Kit intubação

Queiroga afirmou também que a pasta está comprando medicamentos para a intubação de pacientes, o chamado Kit covid, em falta nos estados. São Paulo, por exemplo, enviou ofício ao ministério alertando que precisa de medicamentos do kit intubação em 24 horas.

“O governo federal, através de iniciativa conjunta com a Organização Panamericana de Saúde (Opas) vai fazer uma compra direta, já fez uma compra direta, e esperamos que nos próximos dez dias nós tenhamos um estoque regulador fortalecido para acabar com essa luta do dia a dia de dar suporte às secretarias estaduais e municipais”, afirmou o ministro.

“Além disso, o governo vai fazer um pregão internacional para adquirir esses fármacos, de tal sorte a fortalecer mais ainda essas iniciativas”, completou Queiroga.

Ritmo lento de vacinação

Desde o início da campanha de vacinação contra a Covid-19, em 17 de janeiro, o Brasil já vacinou 11,26% da população, com pouco mais de 31 milhões de doses aplicadas.

Os pesquisadores da Fiocruz observam que o Brasil ainda está distante dos valores necessários para que o país tenha “uma situação de maior controle’ da pandemia.