Ministro das Relações Exteriores iraniano chega a Caracas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif (D), cumprimenta seu equivalente venezuelano Jorge Arreaza (E) na sede do Ministério das Relações Exteriores em Teerã, em janeiro de 2020
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, chegou à Venezuela nesta quarta-feira (4), informou seu equivalente venezuelano. A visita é questionada pelo governo dos Estados Unidos, que já aplicou uma série de sanções contra os dois países.

"Cada visita de alto escalão aprofunda nossa aliança estratégica, nossa irmandade", declarou o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, no Twitter, ao publicar um vídeo da chegada do chefe da diplomacia iraniana.

"A Venezuela e o Irã mostraram solidariedade e coragem diante dos ataques. Cumpriremos uma agenda intensa durante sua estadia", acrescentou Arreaza.

O subsecretário interino do Escritório de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado americano, Michael Kozak, reagiu à visita com ironia. "Que dia intenso para o chanceler iraniano Zarif e @Jaarreaza. Ocupados comparando as melhores práticas para reprimir seus cidadãos? Como saquear e esbanjar os recursos de seus povos? Ou era mais sobre espalhar o terrorismo pelo mundo?", tuitou.

Em 2018, Donald Trump retirou seu país do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, por considerar que o mesmo não era suficiente para impedir que Teerã se equipasse com armas atômicas. Ele, então, restabeleceu as sanções dos EUA contra o Irã, que haviam sido suspensas em 2015.

O governo dos EUA também aumentou a pressão sobre Nicolás Maduro, que não reconhece como presidente da Venezuela, e impôs sanções e um embargo ao petróleo venezuelano. O país sul-americano tem as maiores reservas de petróleo do mundo, mas sua produção despencou e a falta de combustível está em pauta.

A estatal PDVSA, que produzia 3,2 milhões de barris por dia há 12 anos, oferece atualmente menos de 400 mil barris diários, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

As sanções americanas forçaram o governo de Maduro a recorrer a aliados como o Irã, que enviou petroleiros carregados de gasolina para a Venezuela nos últimos meses para aliviar a escassez.

gde/ial/bl/mar/mbj/gma/ic/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos