Ministro Fabio Faria diz que Ludhmila não foi convidada para a Saúde

MÔNICA BERGAMO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro das Comunicações, Fabio Faria, contradisse a cardiologista Ludhmila Hajjar, que se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no domingo (14) para discutir a possibilidade de assumir o Ministério da Saúde. Ela afirma que recusou o convite. Segundo o ministro, que apoiava a indicação e trabalhou para isso nos bastidores, Bolsonaro em momento algum formalizou convite para ela assumir a pasta. "Não pode ter havido recusa a convite que não foi feito", afirmou ele em mensagem no Twitter. Assim que o jornal Folha de S.Paulo noticiou que Ludhmila estava em Brasília conversando com Bolsonaro, ela passou a ser alvo de ataques nas redes sociais. Declarações anteriores em que ela criticava a condução das políticas de combate à Covid-19 foram divulgadas. O vídeo de uma live dela com a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também passou a circular. Nesta segunda (15), a Folha de S.Paulo informou que Ludhmila não tinha aceitado o convite de Bolsonaro para o cargo. O governo, no entanto, afirma que ele não ocorreu. "Dra. Ludhmila é uma médica de muita credibilidade. São injustos os ataques dirigidos a ela. Não procedem as informações de declínio do convite por divergências entre ela e o PR. Houve conversas fluidas entre eles, mas não pode ter havido recusa a convite que não foi feito", afirmou Faria.