Ministro da Fazenda chileno é alvo de moedas e ofensas em restaurante

Santiago (Chile), 6 abr (EFE).- Um grupo de pessoas repreendeu e lançou moedas contra o ministro da Fazenda do Chile, Rodrigo Valdés, durante um encontro com o presidente-executivo da estatal Corporación del Cobre (Codelco), Nelson Pizarro, em um restaurante no centro de Santiago nesta quinta-feira.

Algumas pessoas se aglomeraram ao redor da mesa na qual ambos comiam e insultaram o ministro, que foi chamado de "ladrão" e se tornou alvo de moedas.

Valdés e Pizarro se encontraram em um conhecido estabelecimento de fast-food para quitar uma aposta que tinham feito sobre o desempenho da Codelco, que superou as estimativas da Fazenda.

Durante as últimas semanas, o ministro Valdés protagonizou o debate sobre a reforma do sistema de previdência privada, que propõe aumentar em 5% as contribuições para engrossar um pilar solidário destinado a melhorar as pensões mais baixas.

Diante do incidente desta quinta-feira, o segurança de Valdés optou por retirar o ministro, que não sofreu nenhuma lesão. Após o incidente, o comitê político do governo se deslocou até o Ministério da Fazenda para demonstrar apoio a Valdés.

O ministro do Interior, Mario Fernández, junto ao colega da Secretaria-Geral da presidência, Nicolás Eyzaguirre, e a titular da Secretaria-Geral de governo, Paula Narváez, caminharam juntos desde a sede presidencial do governo até o Ministério.

Durante o trajeto, os ministros também foram abordados pelos cidadãos, que começaram a hostilizá-los com grosserias e gritos como "viva Piñera" (em referência ao ex-mandatário e atual pré-candidato presidencial Sebastián Piñera) e "devolvam o dinheiro", segundo a rádio "Bío-Bío".

Além disso, um jovem gesticulou com a mão um movimento similar ao de apertar o gatilho de uma arma, o que alertou os seguranças, que fizeram os ministros entrarem rapidamente no edifício.

Depois de se reunir com Valdés, o ministro Mario Fernández expressou rejeição aos incidentes ocorridos e se mostrou preocupado pela atitude das pessoas.

"Visitamos o ministro Rodrigo Valdés para expressar nossa solidariedade como colegas, mas também para dar um sinal muito claro de que este tipo de situação que ele viveu, comendo um sanduíche como qualquer chileno, não pode voltar a se repetir", afirmou o ministro em declarações à imprensa.

"Neste país, nos custou muito reconstruir a democracia e estamos orgulhosos que qualquer autoridade possa se sentar em um lugar público para comer um sanduíche e não ser agredido ou insultado, mas ser tratado como qualquer pessoa", indicou Fernández. EFE