Ministro interino da Saúde lamenta mortes por Covid-19 e exalta pacientes recuperados

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASILIA, DF,  BRASIL,  27-04-2020 - Boletim epidemiológico. O ministro da Saúde Nelson Teich, acompanhado dos secretários Wanderson Oliveira (Vigilância em Saúde) e Eduardo Pazuello(foto) (Secretário Executivo) durante coletiva de imprensa para divulgação do boletim epidemiológico, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL, 27-04-2020 - Boletim epidemiológico. O ministro da Saúde Nelson Teich, acompanhado dos secretários Wanderson Oliveira (Vigilância em Saúde) e Eduardo Pazuello(foto) (Secretário Executivo) durante coletiva de imprensa para divulgação do boletim epidemiológico, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após o país superar 100 mil mortes em decorrência do novo coronavírus, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou neste sábado (8) que lamenta profundamente cada vida perdida na pandemia e exaltou o número de pacientes recuperados.

Em nota divulgada no início da noite, Pazuello disse que o Ministério da Saúde permanece trabalhando 24 horas por dia em parceria com estados e municípios para garantir que não faltem recursos, leitos, medicamentos e apoio às equipes de saúde.

"Não se trata de números, planilhas ou estatísticas, mas de vidas perdidas que afetam famílias, amigos e atingem o entorno do convívio social", escreveu.

O ministro interino agradeceu aos profissionais de saúde que atuam no enfrentamento à Covid-19. Ele ressaltou que pessoas com sintomas da doença devem procurar atendimento imediato em uma Unidade Básica de Saúde.

"O Brasil ocupa o primeiro lugar no mundo em número de pacientes recuperados, registrando mais de dois milhões de brasileiros curados", afirmou.

Menos de cinco meses após registrar a primeira morte causada pela Covid-19, o Brasil superou, na tarde deste sábado, a marca de 100 mil óbitos decorrentes da doença.

Com o registro de 538 novas mortes desde a véspera até 13h30 deste sábado, o país soma assim 100.240 mortos pela doença, segundo dados coletados com as secretarias estaduais da saúde pelo consórcio formado por Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, o Globo e G1.

O número de casos registrados, por sua vez, beira os 3 milhões, com 21.732 novas notificações e um total de 2.988.796 pessoas que tiveram a infecção confirmada, mas é provável que haja subnotificação. Com isso, o Brasil tem hoje cerca de 6,5% dos casos mundiais e 13,8% dos mortos pela doença no mundo, embora o país abrigue apenas 2,7% da população do planeta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos