Ministro de Israel visita complexo da mesquita Al Aqsa; palestinos criticam

Novo ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir

Por Dan Williams

JERUSALÉM (Reuters) - O novo ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, visitou brevemente o complexo da mesquita Al-Aqsa em Jerusalém nesta terça-feira, um local também reverenciado por judeus, provocando condenação de palestinos e da vizinha Jordânia.

"O Monte do Templo está aberto a todos", disse Ben-Gvir, de extrema-direita, no Twitter, usando o nome judeu para o local. Imagens de vídeo o mostraram caminhando na periferia do complexo, cercado por um forte destacamento de segurança e rodeado por um colega judeu ortodoxo.

Uma autoridade israelense disse que a visita de 15 minutos de Ben Gvir ao complexo de Al Aqsa obedecia ao chamado acordo de status quo, que remonta a décadas, que permite que não-muçulmanos visitem, desde que não rezem. A visita decorreu sem incidentes.

A ascensão de Ben-Gvir, líder do partido Poder Judeu, para se juntar a uma coalizão nacionalista-religiosa sob o primeiro-ministro reeleito Benjamin Netanyahu aprofundou a ira palestina sobre seus esforços há muito fracassados para garantir um Estado.

A visita pode aumentar ainda mais as tensões após o crescimento da violência na Cisjordânia ocupada no ano passado.

Horas antes, soldados israelenses mataram a tiros um adolescente palestino em um confronto próximo a Belém, disseram autoridades médicas e testemunhas. O Exército de Israel afirmou que as tropas dispararam contra palestinos que jogaram explosivos improvisados, pedras e bombas incendiárias contra eles.

O Ministério das Relações Exteriores palestino disse que "condena veementemente a invasão à mesquita de Al-Aqsa pelo ministro extremista Ben-Gvir e a vê como uma provocação sem precedentes e uma perigosa escalada do conflito".

Ben-Gvir não se aproximou da mesquita, que é um símbolo do nacionalismo palestino e sua busca pela criação de um Estado, uma meta que parece cada vez mais distante com Ben-Gvir e outros aliados de extrema-direita no novo governo de Netanyahu.

A Jordânia, guardiã da Al Aqsa e cujo próprio acordo de paz com Israel é impopular em casa, também criticou a visita.

"A Jordânia condena nos termos mais severos a invasão da mesquita de Aqsa e a violação de sua santidade", disse o Ministério das Relações Exteriores da Jordânia, acrescentando que a visita violou o direito internacional e "o status quo histórico e legal em Jerusalém".

Um porta-voz do Hamas, grupo islâmico palestino que rejeita a coexistência com Israel, disse sobre a visita de Ben-Gvir: "a continuidade desse comportamento aproximará todas as partes de um grande conflito".

O complexo de Al Aqsa, conhecido pelos muçulmanos como Nobre Santuário, é o terceiro local mais sagrado do Islã. É também o local mais sagrado do judaísmo, um vestígio de dois antigos templos da fé.