Ministro perurano envolvido em escândalo da Odebrecht renuncia

(Arquivo) O presidente do Peru, Martín Vizcarra,  anunciou que aceitou a renúncia do ministro

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, anunciou nesta segunda-feira (10) que aceitou a renúncia do ministro de Minas e Energia, Juan Carlos Liu, questionado por assessorar a empresa brasileira Odebrecht.

"Que sejam determinadas as responsabilidades. O fato é que diante das denúncias que foram apresentadas (Liu) tomou a decisão de comunicar a renúncia", explicou Vizcarra à imprensa.

Em entrevista a um veículo de comunicação local, o agora ex-ministro reconheceu que sua empresa (Conasac) prestou "em alguns momentos alguns serviços à Odebrecht", que em 2014 ganhou a licitação para a construção do Gasoduto Sul Peruano. Esses "serviços", afirmou, foram "de natureza regulatória".

Nessa época, a Odebrecht "não tinha nenhum questionamento público nem no Peru nem no exterior", declarou Liu.

Em 24 de janeiro de 2017, o governo cancelou o contrato para a construção do gasoduto, do qual um terço já havia sido concluído.

A obra não concluída, de 1.000 km de extensão, deveria transportar gás natural através dos Andes, de Quillabamba, na região de Cusco, até a costa de Arequipa.

O escândalo da Odebrecht atinge quatro ex-presidentes e vários políticos no Peru, incluindo o líder da oposição Keiko Fujimori e ex-autoridades.