Ministro rebate fala de Zema sobre atos golpistas: 'Teoria da conspiração'

Governador de Minas Gerais sugeriu que governo federal errou propositalmente para se fazer de "vítima"

Paulo Pimenta, ministro da Secom (Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Paulo Pimenta, ministro da Secom (Foto: MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
  • Ministro do governo Lula, Paulo Pimenta condenou declaração de Romeu Zema;

  • Governador de Minas Gerais sugeriu que governo federal errou propositalmente para se fazer de "vítima";

  • Para Pimenta, Zema faz insinuações "sem base" e utiliza "teoria da conspiração".

O ministro da Secom (Secretaria de Comunicação), Paulo Pimenta, rebateu nesta segunda-feira (16) a fala do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), de que o governo federal falhou para se fazer de “vítima” nos ataques de 8 de janeiro.

Segundo Paulo Pimenta, o governador faz insinuações “sem base” e utiliza da “teoria da conspiração” que faz com que bolsonaristas extremistas mintam sobre os verdadeiros responsáveis pelo vandalismo em Brasília.

“Não contribui o governador de um estado importante como MG fazer insinuações sem base, tentando culpar a vítima, com teoria da conspiração que levou muitos golpistas a ventilar fake news sobre "infiltrados" e coisas desse tipo. Queremos diálogo sério pela reconstrução do Brasil”, escreveu o ministro no Twitter.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Mais cedo, em entrevista à Rádio Gaúcha, Zema repercutiu os atos golpistas organizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

No domingo (8), eles invadiram o Congresso Nacional, o STF (Supremo Tribunal Federal) e o Palácio do Planalto e vandalizaram as sedes dos Três Poderes na capital federal.

Na avaliação do político, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “errou” e “fez vista grossa” para que o pior acontecesse. Zema sugeriu ainda que o Executivo federal queria se fazer de “vítima”.

"Me parece que houve um erro da direita radical, que é minoria. Houve um erro também, talvez até proposital do governo federal, que fez vista grossa para que o pior acontecesse e ele se fizessem de vítima. É uma suposição. Mas as investigações vão apontar se foi isso", disse ele.

Aliado do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), o governador de Minas defendeu os bolsonaristas que estão manifestando de maneira “ordeira”. Ele também condenou os atos de vandalismo.

"Você confundir um cidadão de bem com um depredador é erro gravíssimo. Que se puna essas pessoas que fizeram o vandalismo. Agora, estender isso a esses que estão se manifestando de forma ordeira, é uma situação muito distinta", argumentou.