Ministro do STF defende ações permanentes do governo na Amazônia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Ministro do STF Gilmar Mendes
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes defendeu nesta segunda-feira que o governo tenha ações permanentes na Amazônia para combater os crimes que acontecem naquela região do país.

Mendes lamentou o desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira e destacou que a região tem se mostrado insegura com práticas de pesca e caça ilegal, presença de narcotraficantes, invasão de áreas indígenas entre outros tipos de crimes.

“Isso tudo tem que ser olhado pelas autoridades brasileiras com a devida atenção“, o ministro do STF a jornalistas em evento da Associação Comercial do Rio de Janeiro.

Há pouco mais de uma semana o jornalista e o indigenista desapareceram quando viajavam para uma reportagem em área remota da selva na fronteira entre Peru e Colômbia, que abriga o maior número de povos indígenas isolados do mundo. A região selvagem e sem lei atrai quadrilhas de contrabando de cocaína, madeireiros ilegais, garimpeiros e caçadores.

“A gente talvez devesse discutir o que não devia ter ocorrido que é a ausência ou a falta de adequada fiscalização nessa área... certamente é preciso adotar medidas ali... porque é um local de crimes sistemáticos e acho que temos que dar atenção", disse Mendes.

"Nós que somos muito ciosos do nosso domínio sobre a Amazônia precisamos de fato efetivar não só presença física e sistema de monitoramento para dar subsídios às ações“, acrescentou.

Mendes defendeu ainda a criação de um sistema único de segurança pública, inspirado no SUS, para uma ação coordenada de combate à violência e à criminalidade. O ministro disse que não se pode ter uma visão isolada de que o combate ao crime é uma responsabilidade exclusiva dos Estados.

Mendes, que este ano votou pela criação de um plano detalhado pelo Estado do Rio de Janeiro para redução das mortes em ações policiais, declarou que as ações das forças de segurança têm que ser feitas com cuidado porque elas têm terminado em chacinas e massacres, mas ponderou que não se pode apenas apontar para faltas de policiais que enfrentam no dia a dia criminosos com armas de guerra.

ATAQUES DE BOLSONARO

Sobre os ataques do presidente Jair Bolsonaro às urnas eletrônicas, Mendes lembrou que o sistema de votação eletrônica é seguro e o próprio Bolsonaro se elegeu inúmeros vezes sem qualquer problema.

“Nós banimos as fraudes, compra de votos e outros. Nosso problema nunca foi e não será a urna eletrônica“, afirmou Mendes

Para o ministro, “não há" que se questionar o resultado das próximas eleições).

"Confiança total“, finalizou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos