Ministro do STJ nega pedido de adiamento do Enem

Fechamento das escolas pela pandemia de Covid-19 gera pedidos de adiamento do Enem

BRASÍLIA- O ministro Gurgel de Faria, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido da União Nacional dos Estudantes (Une) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) para adiar a data do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Na segunda-feira, as entidades entraram com um pedido de liminar no STJ solicitando a adequação do calendário do Enem à "realidade do atual ano letivo" e que o MEC consulte as secretarias de estado de educação sobre o tema.

No pedido, as entidades argumentaram que a suspensão de aulas em todos os estados do país pode aprofundar desigualdades e prejudicar os estudantes:

"Considerando ocontexto da falta de aula e reorganização dos períodos letivos em decorrência dasmedidas de isolamento derivadas da pandemia, que poderia colocar em uma situação deainda maior desigualdade os estudantes de escola pública, que não vêm tendo aulas, emrelação àqueles de escolas particulares que mantém a atividade letiva virtualmente".

As inscrições para o Enem 2020 começaram na segunda-feira. De acordo com o cronograma, as provas presenciais ocorrerão em 1 e 8 de novembro. A prova virtual, por sua vez, será aplicada nos dias 22 e 29 de novembro.

O GLOBO entrou em contato com o STJ para saber os argumentos usados na decisão do ministro, mas ainda não obteve resposta.