Ministro do TCU se retrata de áudio sobre militares e diz repudiar atos antidemocráticos

*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 07.10.2015: AUGUSTO NARDES - O ministro do TCU Augusto Nardes lê o relatório que reprova as contas da presidência da República e aponta que o governo da Dilma cometeu irregularidades fiscais, conhecidas como ?pedaladas fiscais?. (Foto: Alan Marques/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 07.10.2015: AUGUSTO NARDES - O ministro do TCU Augusto Nardes lê o relatório que reprova as contas da presidência da República e aponta que o governo da Dilma cometeu irregularidades fiscais, conhecidas como ?pedaladas fiscais?. (Foto: Alan Marques/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Augusto Nardes se retratou nesta segunda-feira (21) de declaração em que afirmou que "está acontecendo um movimento muito forte nas casernas brasileiras".

Por meio de nota divulgada pela assessoria de imprensa do órgão, Nardes disse que "lamenta profundamente a interpretação que foi dada sobre um áudio despretensioso gravado apressadamente e dirigido a um grupo de amigos".

E acrescentou, "para que não pairem dúvidas", segundo o ministro, "que repudia peremptoriamente manifestações de natureza antidemocrática e golpistas, e reitera sua defesa da legalidade e das Instituições republicanas".

A fala repercutiu mal entre ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e do TCU, que condenaram a atitude. Porém, o clima acalmou depois da divulgação da nota de retratação do ministro.

Uma pessoa do TCU próxima a Nardes disse à reportagem que, quem o conhece, sabe que foi uma fala sem lastro fático.

Já o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou que entrará com pedido no TCU solicitando a aposentadoria compulsória de Nardes ou a sua disponibilidade, por violação disciplinar.

Ele afirmou que também pedirá ao STF a instauração de um inquérito policial contra o ministro por possível crime contra a ordem democrática e o denunciará por crime de responsabilidade. Entre os pedidos, estão a perda de cargo e a suspensão dos direitos políticos.

A corregedoria no TCU deve analisar os pedidos à corte, mas nos bastidores ministros avaliam que, depois da retratação, perde-se a disposição para alguma punição ao ministro.

Em um áudio enviado a amigos do agronegócio pelo WhatsApp, revelado pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, Nardes havia dito que "é questão de horas, dias, no máximo, uma semana, duas, talvez menos do que isso", para um "desenlace bastante forte na nação, [de consequências] imprevisíveis, imprevisíveis".

Ele afirmou também não poder falar tudo o que sabe sobre o "desenlace" para os amigos.

"Eu não posso falar muito. Sim, tenho muitas informações, queria passar para ti, para o teu time do agro, que eu conheço todos os líderes", diz Nardes.

O ministro foi o relator das contas presidenciais de Dilma Rousseff em 2015, que foram rejeitadas e causaram o impeachment da então presidente da República.