Ministros do Supremo criticam visita de Bolsonaro a Toffoli

Carolina Brígido
Reunião com Braga Netto, Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Paulo Guedes, Ministro de Estado da Economia; Dias Toffoli, Presidente do Supremo Tribunal Federal; e grupo de empresários.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) consideraram “inadequada” a reunião de última hora do presidente da Corte, Dias Toffoli, como o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira. Na comitiva, um grupo de empresários clamou pela reabertura da economia.

Para um ministro ouvido reservadamente, o ato foi uma tentativa de Bolsonaro dividir com o Judiciário responsabilidade por eventual recessão com o fechamento do comércio nas cidades. Esse ministro alertou que o Supremo não é um órgão de consulta prévia para validar ato do presidente, mas sim a instância que julga posteriormente a legalidade da medida, se for acionado para isso.

Leia também

Na visão do ministro, com a atitude, Bolsonaro tentou constranger o tribunal ao atravessar a Praça dos Três Poderes. Esse ministro acredita, no entanto, que a intenção será frustrada, porque “o tribunal não é só o presidente, são onze ministros”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Segundo ele, se o presidente decidir reabrir o funcionamento de segmentos da economia, e se esse ato for questionado depois no Supremo, o tribunal vai levar em conta a posição da ciência e das autoridades sanitárias para tomar a decisão. Além disso, a Corte também examinaria as consequências da abertura ou do fechamento de determinados setores, com prioridade para evitar crise de desabastecimento no país.

Outro ministro ouvido considerou inapropriada a decisão de Bolsonaro de transmitir a reunião ao vivo. Seria uma forma de pressionar o Supremo.

Em contrapartida, o ministro Marco Aurélio Mello não viu problema algum com a reunião de Bolsonaro, Toffoli e empresários. Segundo ele, foi apenas uma visita de cortesia, sem qualquer pressão de um Poder sobre o outro.

“Minha preocupação é apenas uma: se era de boa qualidade o café servido ao presidente”, disse, em tom de brincadeira.