Minneapolis volta a ter confrontos nas ruas pela terceira noite

Agência Brasil*
·2 minuto de leitura

A agente policial que matou, com um disparo, o jovem Daunte Wright, de 20 anos, durante uma operação de trânsito, e o chefe da polícia pediram demissão nessa terça-feira (13). No entanto, as demissões não silenciaram os protestos, que foram realizados pela terceira noite consecutiva. Alguns manifestantes lançaram garrafas e outros projéteis contra a sede da polícia, que respondeu com disparos de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Mais de 60 pessoas foram detidas durante a manifestação.

Os ânimos já estavam exaltados na cidade norte-americana de Minneapolis, no estado de Minnesota, antes da morte de Daunt Wright no último domingo (11), num subúrbio. É lá que está ocorrendo o julgamento do policial acusado de matar o afro-americano George Floyd em maio do ano passado, caso que levou a uma enorme onda de protestos do movimento Black Lives Matter durante vários meses.

Também por isso, o subúrbio Brooklyn Center foi colocado sob toque de recolher após a morte de Daunte Wright. Mesmo após os pedidos de demissão apresentados por Kim Potter, a agente que disparou no jovem, e o chefe da polícia, Tim Gannon, as manifestações continuam.

O anúncio das demissões foi feito pelo prefeito de Brooklyn Center, Mike Elliott, que disse esperar que as saídas “tragam alguma calma à comunidade”. Pelo menos no imediato, a notícia das demissões, o recolher obrigatório e o frio e chuva que se fizeram sentir não levaram a acalmar dos ânimos nos protestos de ontem.

“Ela devia ter sido despedida. O seu pedido de demissão não devia ter acontecido antes disso”, disse Amber Young, uma das manifestantes que integrou os protestos. Sobre o chefe da polícia que também apresentou a demissão, a ativista mostrou-se satisfeita: “Estou feliz que ele tenha ido embora. Não mostrava preocupação com a comunidade”, afirmou.

De acordo com o jornal local Star Tribune, cerca de 800 mil pessoas protestaram próximas ao departamento de polícia de Brooklyn Center na noite dessa terça-feira. A manifestação começou de forma pacífica, mas a situação complicou-se horas depois. De acordo com a polícia local foram feitas mais de 60 detenções por “motins e outros comportamentos criminosos”.

Os manifestantes consideram que as demissões anunciadas são um passo importante, mas exigem uma revisão completa de todo o departamento da polícia. Eles prometem não desistir até que isso ocorra. Isto porque, argumentam, o carro de Daunte Wright só foi parado pela polícia por questões raciais.

É o que defende também a família do jovem de 20 anos que morreu no último domingo. A polícia diz que o carro foi parado apenas porque a licença da matrícula tinha expirado.

Daunte Wright foi abordado durante a operação de trânsito e acabou morrendo quando a agente Tim Gannon supostamente confundiu a pistola com um taser, arma que provoca forte descarga elétrica paralisante, mas não é letal.

* Com informações da RTP - Rádio e Televisão de Portugal