Minuta encontrada na casa de ex-ministro de Bolsonaro propunha 'correção' da eleição

Um rascunho de decreto encontrado na casa de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro, sugeria medidas de emergência para garantir a "correção" das eleições de outubro, na qual o político de extrema direita foi derrotado.

De acordo com o jornal "Folha de S. Paulo", a Polícia Federal encontrou um documento em um armário de Anderson Torres. O documento de três páginas decretava o controle do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), "com o objetivo de garantir a preservação, ou o pronto restabelecimento da lisura e correção do processo eleitoral presidencial do ano de 2022".

O texto estabelecia a criação de uma "Comissão de Regularidade Eleitoral" que assumiria as funções do TSE e que estaria composta por 17 membros, oito deles do Ministério da Defesa.

O rascunho do decreto presidencial — com o nome de Jair Messias Bolsonaro ao final — não tem uma data, mas sua redação indica que se refere às eleições de 2022, vencidas por Lula.

- Investigação em curso -

A Polícia Federal disse à AFP que não se pronunciaria sobre o caso por se tratar de uma investigação em curso.

O ex-ministro Torres, que se encontra nos Estados Unidos, reagiu de imediato no Twitter.

"Havia em minha casa uma pilha de documentos para descarte, onde muito provavelmente o material descrito na reportagem foi encontrado. Tudo seria levado para ser triturado oportunamente no MJSP [Ministério da Justiça e Segurança Pública]", tuitou ele na noite de quinta-feira.

Torres afirma que a minuta foi publicada "fora de contexto, ajudando a alimentar narrativas falaciosas" contra si, no momento em que é requerido por ordem do ministro do STF, Alexandre de Moraes.

Torres é acusado de responsabilidade no ataque de domingo às sedes dos Três Poderes em Brasília. No momento dos incidentes, ocupava o cargo de secretário de Segurança do Distrito Federal, do qual acabou afastado.

O ex-ministro estava de férias nos Estados Unidos quando bolsonaristas radicais invadiram e vandalizaram as sedes da Presidência da República, do STF e do Congresso Nacional, destruindo mobiliário, computadores, equipamentos e obras de arte de valor imensurável.

Torres defende sua inocência e disse, sem informar uma data específica, que voltaria ao país para se apresentar à Justiça.

rsr/pr/mr/rpr/tt