Missão de observação internacional da CPLP avalia que eleição foi limpa e confiável

A Missão de Observação Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) avaliou que as eleições brasileiras, encerradas neste domingo, foram limpas e confiáveis. Também considerou que o processo seguiu os padrões internacionais e os preceitos legais brasileiros. A análise preliminar foi tornada pública nesta segunda-feira durante uma entrevista coletiva, em Brasília.

“(A missão) teve oportunidade de verificar que a utilização de meios eletrônicos de votação, nas condições concretas observadas e submetidos ao processo de validação que é publicamente conhecido, revelou-se segura, confiável e credível, permitindo uma contagem de votos célere, não suscitando reclamações suscetíveis de colocarem em causa a transparência do processo eleitoral”, diz o comunicado.

A CPLP tem como integrantes, além de Brasil e Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. Para o Brasil.

O chefe da Missão, João Damião, conselheiro da Comissão Nacional de Eleições de Angola, afirmou que o processo foi bem organizado e ressaltou a velocidade da apuração dos votos.

— O Tribunal Superior Eleitoral esteve muito bem e organizou um processo muito bem organizado. O Brasil é um dos poucos países do mundo que em menos de 4 horas projeta quase 100% dos resultados eleitorais e por isso está de parabéns o TSE — afirmou.

Fernando Anastácio, da Comissão Eleitoral de Portugal, explicou que a Missão acompanhou o início e o final da votação, além do processo de totalização no TSE, com total liberdade.

— Tivemos a oportunidade de uma forma livre, sem qualquer condição, aberta, com respostas a todas as questões, de uma forma célere e completamente aberta por parte do TSE de acompanhar todo esse processo — afirmou.

Questionado sobre as operações da Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante o horário de votação, Anastácio disse que a Missão não tem conhecimento direto sobre os acontecimentos, mas ficou “satisfeita” com as explicações do presidente do TSE, Alexandre de Moraes, de que não houve eleitor que não conseguiu chegar à sua seção eleitoral, bastaram.

— Ouvimos as explicações que foram ontem dadas na conferência de imprensa, e portanto, penso que o assunto foi esclarecido e penso que não há nada a adicionar sobre isso. Ficamos satisfeitos e confortáveis com as explicações que foram dadas ontem no TSE.

Reconhecimento

Ainda na noite de ontem, o presidente do TSE, Alexandre de Moraes, disse que a eleição foi “pacífica, tranquila e com segurança”. Ele estava acompanhado de 8 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Apenas os ministros André Mendonça e Nunes Marques, indicados por Bolsonaro ao STF, não compareceram ao TSE para a apuração dos votos.