Missão espacial da China acha evidências de um oceano antigo em Marte

Missão espacial da China acha evidências de um oceano antigo em Marte
Missão espacial da China acha evidências de um oceano antigo em Marte
  • O orbitador Tianwen 1 e do veículo terrestre espacial Zhurong enviaram de Marte novos dados;

  • Os equipamentos enviaram 1.480 gigabytes de dados brutos;

  • Os dados apoiam a existência de um antigo oceano na Utopia Planitia

A Administração Espacial Nacional da China (CNSA) revelou novos dados de seu orbitador Tianwen 1 e do veículo terrestre espacial Zhurong. O órgão espacial chinês disse que os equipamentos enviaram 1.480 gigabytes de dados brutos – alguns dos quais apoiam a hipótese de que um antigo oceano existiu na Utopia Planitia, a vasta planície de Marte que Zhurong está explorando.

Lançado em 23 de julho de 2020, Tianwen 1 e Zhurong, juntamente com uma sonda, atingiram a órbita marciana em 10 de fevereiro de 2021; o orbitador está operando há quase 800 dias. O rover e o módulo de pouso chegaram à superfície de Marte três meses depois, em 14 de maio, e o rover até agora atravessou 1.921 metros (6.302 pés).

Ao analisar os dados, cientistas descobriram a existência de minerais hidratados na "duricrust", uma camada mineral dura no topo do solo que normalmente se forma devido à evaporação das águas subterrâneas. Os cientistas afirmam que esta descoberta prova que houve "atividade substancial de água líquida" na região em algum momento nos últimos bilhões de anos. Eles também determinaram “que o solo marciano tem alta resistência ao rolamento e baixos parâmetros de atrito”, o que indicaria erosão devido ao vento, água ou ambos.

A hipótese de que um oceano de água líquida existiu em Marte não é nova – simulações climáticas recentes também indicaram a existência de tal oceano. E, de fato, os cientistas descobriram um enorme depósito subterrâneo de gelo sob o Utopia Planitia anos antes da chegada de Zhurong.

Tanto Tianwen 1 quanto Zhurong continuarão a explorar Marte em busca de evidências relacionadas à água, mas os dois robôs também realizarão outras pesquisas. A CNSA disse que seus cientistas estudam "a relação entre a densidade das rochas na superfície marciana e o grau de erosão da superfície, a distribuição de íons e partículas neutras no ambiente espacial próximo a Marte e o campo gravitacional de Marte", de acordo com a CNSA.