Mo Farah, 4 vezes campeão olímpico, revela que foi traficado criança ao Reino Unido com nome falso

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Mo Farah
Esta é primeira vez que Mo descreve como foi realmente levado para o Reino Unido

Mo Farah foi levado ilegalmente para o Reino Unido quando criança e forçado a trabalhar como empregado doméstico, revelou ele à BBC.

A estrela olímpica disse que o nome de Mohamed Farah foi dado a ele por quem o levou de Djibuti, país na África Oriental. Seu nome verdadeiro é Hussein Abdi Kahin.

Ele foi levado de avião do país do leste africano aos nove anos por uma mulher que ele não conhecia e depois obrigado a cuidar dos filhos de outra família, alega.

"Durante anos, eu continuei bloqueando isso em minha mente", diz o atleta da Grã-Bretanha."Mas você só pode bloquear por um tempo."

Antes, o corredor de longa distância havia dito que foi da Somália para o Reino Unido com seus pais como refugiado.

No entanto, em um documentário da BBC e do Red Bull Studios, ele diz que seus pais nunca estiveram no Reino Unido — sua mãe e dois irmãos moram na fazenda da família na província separatista da Somalilândia.

Seu pai, Abdi, foi morto por bala perdida quando Mo tinha quatro anos, em violência civil na Somália. A Somalilândia declarou independência da Somália em 1991, mas não é reconhecida internacionalmente.

Mo diz que tinha cerca de oito ou nove anos quando foi levado de casa para ficar com a família em Djibuti. Em seguida, foi levado para o Reino Unido por uma mulher que ele nunca havia conhecido e de quem não era parente.

Ela lhe disse que ele estava sendo levado para a Europa para morar com parentes lá — algo que ele diz que o deixou "animado". "Nunca tinha estado em um avião antes", diz.

A mulher lhe disse para dizer que seu nome era Mohamed. Ele conta que ela tinha documentos de viagem falsos que mostravam sua foto ao lado do nome "Mohamed Farah".

Mo Farah mostra cópia de documento de viagem usado para levá-lo ao Reino Unido
Documento falso, mostrando foto de Mo ao lado do nome "Mohamed Farah", foi usado para levá-lo para o Reino Unido

Quando chegaram ao Reino Unido, a mulher o levou para seu apartamento em Hounslow, no oeste de Londres, e pegou um pedaço de papel dele que tinha os detalhes de contato dos parentes dele.

"Bem na minha frente, ela o rasgou e jogou no lixo. Naquele momento, sabia que estava em apuros", diz.

Mo diz que tinha que fazer tarefas domésticas e cuidar de crianças "se eu quisesse comida na minha boca". Ele conta que a mulher disse: "Se você quiser ver sua família novamente, não diga nada".

"Muitas vezes eu me trancava no banheiro e chorava", diz.

Nos primeiros anos, a família não permitiu que ele fosse à escola, mas quando tinha cerca de 12 anos, se matriculou em uma escola. Os funcionários foram informados de que Mo era um refugiado da Somália.

Sua antiga professora, Sarah Rennie, disse à BBC que ele veio para a escola "descuidado", que falava muito pouco inglês e era uma criança "emocional e culturalmente alienada".

Ela diz que as pessoas que diziam ser seus pais nunca participaram de nenhum encontro de pais.

O professor de educação física de Mo, Alan Watkinson, notou uma transformação no menino quando ele entrou na pista de atletismo.

"A única linguagem que ele parecia entender era a linguagem da educação física e do esporte", diz.

Mo diz que o esporte foi uma tábua de salvação para ele, pois "a única coisa que poderia fazer para me livrar dessa [situação de vida] era sair e correr".

Ele acabou confidenciando a Watkinson sobre sua verdadeira identidade, seu passado e a família para a qual ele estava sendo forçado a trabalhar.

'O verdadeiro Mo'

O professor de educação física entrou em contato com os serviços sociais e ajudou Mo a ser acolhido por outra família somali.

"Ainda sentia falta da minha família real, mas a partir daquele momento tudo melhorou", diz Mo.

"Senti que muitas coisas foram tiradas dos meus ombros e me senti eu mesmo. Foi quando Mo surgiu — o verdadeiro Mo."

Mo começou a se destacar como atleta e aos 14 anos foi convidado a competir em escolas de inglês em uma corrida na Letônia — mas não tinha documentos de viagem.

Mo Farah celebrando em Olimpíada em Londres
Mo ganhou medalhas de ouro nos 5.000m e 10.000m nos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e Rio 2016

Watkinson o ajudou a solicitar a cidadania britânica sob o nome de Mohamed Farah, que foi concedida em julho de 2000.

No documentário, o advogado Alan Briddock diz a Mo que, tecnicamente, sua nacionalidade foi "obtida por fraude ou deturpação".

Legalmente, o governo pode remover a nacionalidade britânica de uma pessoa se sua cidadania foi obtida por meio de fraude.

No entanto, Briddock explica que o risco disso no caso de Mo é baixo.

"Basicamente, a definição de tráfico é o transporte para fins de exploração", diz ele a Mo.

"No seu caso, você foi obrigado, quando criança, a cuidar de crianças pequenas e a ser empregado doméstico. E então você disse às autoridades competentes: 'esse não é meu nome'. Tudo isso se combina para diminuir o risco de o governo tirar sua nacionalidade."

Mo Farah
Mo diz que esporte foi "tábua de salvação" para ele

Correr 'me salvou'

Mo diz que quer contar sua história para desafiar a percepção pública de tráfico e escravidão.

"Não tinha ideia de que havia tantas pessoas que estão passando exatamente pela mesma coisa que eu. Isso só mostra o quão sortudo fui", diz ele.

"O que realmente me salvou, o que me fez diferente, foi que eu podia correr."

A mulher que trouxe Mo a Londres foi procurada pela BBC para comentar o caso, mas não respondeu.

- O texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62133946

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos