Mobilização contra a reforma administrativa será retomada em janeiro

Stephanie Tondo
·1 minuto de leitura

Com a votação da reforma administrativa adiada para o ano que vem, servidores da União já começam a se mobilizar em janeiro para evitar que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020 seja aprovada no Congresso Nacional. Marcada para o dia 5 do próximo mês, a reunião do Fórum Nacional de Entidades dos Servidores Federais (Fonasefe) vai definir as atividades da campanha contra as mudanças nas regras do funcionalismo.

Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público (Servir Brasil), o deputado Professor Israel Batista (PV-DF) afirmou que os deputados contrários à medida vão continuar tentando adiar a discussão do projeto.

— A gente sabe que o governo vai perdendo força à medida que o tempo do mandato presidencial passa — comentou Batista.

A Frente Servir Brasil também planeja, a partir da segunda semana de janeiro, uma série de reuniões internas para definir a estratégia do semestre.

— Nós estamos otimistas, tivemos sucesso em enfraquecer as estratégias do governo, e nós vamos continuar buscando aliados das mais diversas matizes ideológicas para impedir que o texto tenha andamento, pelo menos do jeito que foi apresentado pelo governo — acrescentou o deputado Professor Israel Batista.

A Confederação Nacional dos Servidores Públicos (CNSP) e 15 entidades que, juntas, representam mais de 1 milhão de servidores públicos em todo o Brasil enviaram ofício intitulado “Mandado de Cidadania” a todos os 513 deputados federais, solicitando que eles votem contra a reforma administrativa. O grupo defende ainda que a tramitação da PEC seja presencial, e não virtual, e que ocorra apenas após a pandemia e a vacinação contra o coronavírus. Os posicionamentos dos deputados serão registrados e comunicados aos servidores.