Mobilização de motoristas gera atrasos de ônibus na capital paulista

Os passageiros de 13 empresas de ônibus da capital paulista enfrentaram atrasos na manhã de hoje (1º), segundo balanço da São Paulo Transporte (SPTrans). Motoristas e cobradores realizaram assembleias em que foi aprovada greve da categoria para a próxima segunda-feira (6).

A Justiça do Trabalho em São Paulo concedeu ontem (31) uma liminar que determinou a manutenção de 80% da frota de ônibus nos horários de pico em caso de paralisação da categoria. Nos demais horários, devem circular 60% dos coletivos.

A decisão do desembargador Davi Furtado Meirelles atendeu ao pedido feito pela SPTrans, estatal municipal que cuida do transporte público, e estipulou ainda multa de R$ 50 mil por dia ao Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores do Transporte Urbano (Sindimotoristas) em caso de descumprimento.

O presidente do Sindimotoristas, Valdevan Noventa, disse que, mesmo assim, a categoria deve se mobilizar com greve ou protestos a partir da próxima segunda-feira (6). “Os patrões se recusam a sentar na mesa, a proposta já foi rejeitada”, destacou à Agência Brasil. Segundo ele, as empresas ofereceram 10% de reajuste parcelado em três vezes.

Em nota, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbanuss ) disse estar tentado buscado evitar o impasse com os trabalhadores. "O SPUrbanuss reafirma a intenção de manter as negociações, buscando solucionar o impasse com a categoria dos trabalhadores e evitar qualquer problema na prestação dos serviços de transporte urbano, essenciais à mobilidade da população”, diz o comunicado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos