Modelo Eloisa Fontes passa por avaliação com psiquiatra e laudo deve ser concluído nos próximos dias

Marjoriê Cristine
·2 minuto de leitura
Carreira de Eloisa começou aos 17

eloisa5.jpg

Carreira de Eloisa começou aos 17

Depois de uma desgastante viagem de quase 40 horas entre o Rio de Janeiro e Paulo Afonso, no interior de Alagoas próxima a Piranhas, a modelo Eloisa Fontes passou o feriadão em casa com a família. A jovem de 26 anos foi recebida por uma assistente social da prefeitura de Piranhas, sua cidade natal, e por um psiquiatra de um projeto do governo estadual, chamado Anjos da Paz, que presta atendimento psicológico e de assistência social para dependentes químicos de drogas. A alagoana passou por uma avaliação com um psiquiatra, um procedimento padrão para casos como este antes de se encaminhar o paciente para comunidade de internação do projeto, o Centro de Acolhimento de Dependentes Químicos do município de Santana do Ipanema, no Sertão de Alagoas.

O especialista passou medicamento e informou que antes de concluir o laudo vai precisar entrar em contato com os médicos que atenderam Eloisa Fontes no Instituto municipal Philippe Pinel, em Botafogo, na Zona Sul do Rio, onde a modelo ficou 22 dias internada e recebeu alta na quarta-feira da semana passada, dia 28. Só depois dessa conversa, o laudo será feito e será decidido se modelo será novamente internada ou não.

Segundo a Secretaria de Estado de Prevenção à Violência de AL explicou ao EXTRA na sexta-feira, dia 30, a jovem pode ser encaminhada para comunidade acolhedora, onde poderá passar por tratamento voluntário de até seis meses, podendo ser renovado por mais seis meses, de acordo com a necessidade. Como a internação é voluntaria, a princípio vai depender de uma conversa com a jovem e seus familiares. Mas essa é a primeira vez que os governos municipais e estaduais oferecem ajuda a jovem, que deixou a pequena cidade aos 17 anos, para ser modelo em São Paulo.

VEJA MAIS:

O projeto Anjos da Paz é formado por psicólogos e assistentes sociais e é uma das portas de entrada da Rede Acolhe, programa do Governo de Alagoas, por meio da Seprev, que disponibiliza vagas para acolhimento de dependentes químicos em uma das 33 comunidades terapêuticas acolhedoras de forma totalmente gratuita. O Projeto já acolheu mais de 30 mil alagoanos desde sua criação, em 2009.

Volta para casa

A modelo chegou em Paulo Afonso, uma cidade próxima a Piranhas, no fim da tarde de sexta-feira, por volta das 16h, após uma viagem de 39 horas de ônibus. Os custos foram pagos por uma vaquinha feita por amigos, que arrecadou R$ 1.600. Com parte do valor, cerca de R$ 800, foram compradas as passagens da jovem e de sua mãe. O restante foi entregue para Luciene pagar despesas da viagem e o que precisassem.