Modelo que matou noivo em motel casaria com vítima em 64 dias em festa de R$ 200 mil

Modelo matou o noivo com um tiro em um motel - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Modelo matou o noivo com um tiro em um motel - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Mulher matou o próprio noivo a tiros dentro de um quarto de motel

  • A criminosa fugiu nua, tentou roubar um carro, mas foi presa e confessou

  • Eles casariam em pouco mais de dois meses em uma festa luxuosa

A modelo que confessou ter matado o próprio noivo esta semana em um motel do Distrito Federal casaria com a vítima em 64 dias, segundo informações do portal UOL.

Jordan Guimarães Lombardi, de 40 anos, foi assassinado a tiros pela companheira, Marcela Ellen Paiva Martins, 31, em um cômodo do estabelecimento na última quarta-feira (9).

A empresa contratada pelos noivos para celebração da união revelou que a festa estava marcada para o dia 14 de janeiro do ano que vem, teria 50 convidados e custaria R$ 200 mil.

Ainda segundo a empresa, o casal deveria fazer uma degustação na terça (8), quando já estava no motel. Eles não compareceram e informaram que tiveram um imprevisto.

Em contato com o UOL, uma funcionária afirmou que Jordan queria "dar um casamento de princesa" para a noiva.

Veja o que se sabe sobre o caso até o momento:

Quem é a criminosa

Marcela era formada em Direito e atuava como modelo. Ela tinha mais de 51 mil seguidores no Instagram e disse a polícia que havia atuado como garota de programa antes do relacionamento com Jordan.

Como foi o assassinato

A mulher disparou contra o olho direito do homem, de 40 anos, causando o ferimento fatal. Além disso, ela própria admitiu ter agredido a vítima com diversas coronhadas antes do tiro.

Disparo e coronhadas

De acordo com informações do portal Metrópoles, o corpo de um homem foi encontrado no quarto do motel com diversos hematomas e uma marca de tiro no olho.

Fuga nua e tentativa de roubo

Marcela escapou do motel em um veículo de luxo, nua. Momentos mais tarde, foi flagrada tentando roubar uma Kombi.

Suspeita confessa crime

A Polícia Militar foi acionada, deu início a buscas e conseguiu localizar e deter a suspeita. Em depoimento, ela confessou a autoria do crime.

Arma do crime

No momento da prisão, a suspeita levava um revólver calibre 380, supostamente a arma do crime, e quatro munições. Ela foi levada para a 1ª Delegacia de Polícia de Águas Lindas.

Casamento marcado

De acordo com seu advogado de defesa, a suspeita estava se relacionando com a vítima há dois anos. Eles moravam em São Paulo e casariam em janeiro do ano que vem.

Linha do tempo do crime

O casal teria entrado no motel por volta das 16h30 de segunda-feira (7). Na noite de terça, um outro homem chegou ao local em carro de aplicativo e saiu duas horas mais tarde. O corpo foi encontrado pouco depois das 4h30 desta quarta.

Versão da defesa

O advogado Johnny Cleik afirmou, ao Metrópoles, que os noivos fizeram uso de drogas como cocaína, ecstasy e maconha e tiveram um surto psicótico.

O rapaz teria agredido a mulher com tapas, momento no qual ela teria empunhado o revólver. Diante de uma nova agressão do noivo, o gatilho teria sido disparado.

Carro bloqueado

A suspeita teria escapado e, como estava com um carro da empresa em que trabalha, acabou bloqueada pelo GPS. Nua, segundo Cleik, entrou em luta corporal com um motorista na tentativa de roubar seu veículo.