A moeda comum sur vai substituir o real? Como ela funcionaria na prática? Tire suas dúvidas

Em artigo publicado no jornal argentino Perfil no fim de semana, os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Alberto Fernández escreveram que vão avançar nas discussões sobre a criação de uma moeda sul-americana comum, que poderá ser usada em trocas financeiras e comerciais entre os países.

Divergência: Antes de começar, Brasil e Argentina já batem cabeça sobre projeto de moeda comum

Crise na Americanas: Como ninguém viu o rombo de R$ 20 bilhões que levou a empresa à recuperação judicial?

A possível criação da nova moeda, que o governo brasileiro sugere chamar de sur, será debatida em encontro bilateral na Casa Rosada, sede do governo argentino, em Buenos Aires, nesta segunda-feira. Apesar de embrionário, o projeto já levanta várias dúvidas sobre sua viabilidade e como a moeda comum funcionaria.

A nova moeda vai substituir o real ou o peso, como o euro substituiu as moedas nacionais? Poderá ser usada por turistas? O GLOBO preparou um perguntas e respostas com o que se sabe até agora. Veja abaixo.

A nova moeda sur vai substituir o real ou o peso?

Não. Se criada, a sur será uma moeda paralela às moedas nacionais. A ideia é usá-la apenas em fluxos financeiros e comerciais, reduzindo os custos das operações e a vulnerabilidade externa, explicaram Lula e Fernández no artigo publicado no Perfil. Não será, portanto, como o euro, que substituiu o marco alemão e o escudo português, por exemplo.

O governo brasileiro pedirá, inclusive, que isso fique claro no acordo a ser firmado entre os dois países para avanços nos estudos.

Turismo do sono: Viajantes que pagam diárias a partir de R$ 1 mil para relaxar e dormir

A sur poderá ser usada por turistas que visitam Argentina e Brasil?

A princípio não. A ideia é que a sur não seja usada em operações do dia a dia, como compras de mercado e pagamento de ingressos. Assim, não será usada nem pelos cidadãos locais nem por turistas estrangeiros.

Qual o objetivo da criação da moeda comum?

O objetivo inicial é fomentar o comércio regional e reduzir a dependência em relação ao dólar, de acordo com o jornal britânico Financial Times, que publicou reportagem sobre o assunto no domingo. Autoridades brasileiras também dizem, reservadamente, que o projeto visa a barrar a influência da China, que tem tomado espaço do Brasil na economia argentina.

O país vizinho é o terceiro principal destino das exportações brasileiras (4,6% de participação) e a terceira principal origem das nossas importações.

Como a moeda funcionaria na prática?

A ideia do governo brasileiro é que a sur seja semelhante a uma URV (Unidade Real de Valor), ou seja, um parâmetro econômico para transações financeiras e comerciais entre os dois países. Assim, Brasil e Argentina não precisariam recorrer ao dólar ou moedas de terceiros para as transações bilaterais.

Portugal: Cidadania portuguesa vira atalho para visto de residência dos EUA

Hoje, quando é feita uma importação de produto brasileiro pela Argentina, ela precisa recorrer a suas reservas em dólar para efetuar a transação. Com o sur, um caminhão brasileiro comprado pela Argentina, por exemplo, teria seu valor em pesos convertido em sur, que depois seria convertido em reais.

O fabricante brasileiro, portanto, receberia o valor em reais e o comprador argentino faria o desembolso em peso, sem intermediação do dólar.

Por que evitar o uso do dólar seria importante para a Argentina?

O país enfrenta grave escassez de dólar. Há mais de uma dezena de cotações diferentes da moeda americana, com objetivo de reter a saída da divisa. Também já foram adotadas medidas restritivas ao uso do dólar, como encarecimento de taxas de cartão de crédito para compras no exterior.

Mesmo com todas essas medidas, a economia argentina passa por dificuldades. No ano passado, a inflação do país foi de 94,8%, a maior em 32 anos. E o governo ainda deve mais de US$ 40 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), referentes a um socorro feito em 2018.

A nova moeda poderá ser usada por outros países da América do Sul?

Segundo o ministro da Economia argentino Sergio Massa, que falou com o FT, outros países da região poderão ser convidados a fazer uso da moeda, caso o projeto vingue. O jornal britânico estima que uma união monetária que cubra toda a América Latina represente cerca de 5% do PIB global. A zona do euro abrange 14% da economia mundial.

Quanto tempo a criação de uma moeda comum pode levar?

Não se sabe. Para efeito de comparação, o projeto de criação do euro levou cerca de 35 anos para ser implementado, lembrou Massa em entrevista ao FT. Ele disse que o acordo a ser firmado entre Brasil e Argentina será o primeiro passo nessa direção.

Meio de pagamento: Pix movimentou R$ 10,9 trilhões em 2022, mais que o dobro do registrado no ano anterior

Que tipo de estudos serão feitos?

De acordo com Massa, serão estudados todos os parâmetros necessários para a criação de uma moeda comum, como questões fiscais, o tamanho das economias, o papel dos bancos centrais, entre outros.

Já houve outros projetos de criação de uma moeda comum na América do Sul?

Sim. O assunto chegou a ser discutido entre os governos de Brasil e Argentina na época dos governos de Jair Bolsonaro e Mauricio Macri. A moeda comum se chamaria peso real. Mas houve oposição do Banco Central do Brasil à ideia. Agora, os dois países estariam dispostos a avançar no projeto.