Monark, Adrilles e deputados bolsonaristas têm contas suspensas nas redes sociais

Monark (foto), Adrilles e outros tiveram contas bloqueadas - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Monark (foto), Adrilles e outros tiveram contas bloqueadas - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Monark e Adrilles tiveram contas bloqueadas por decisão judicial

  • Ex-apresentador do Flow Podcast ficou sabendo da decisão ao vivo

  • Deputados bolsonarista também foram bloqueados por divulgarem fake news e incitarem atos golpistas

O YouTube e o Twitter bloquearam as contas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) na última terça-feira (8). Deputados e influenciadores tiveram os perfis retirados do ar após decisões judiciais.

Bruno Aiub, conhecido como Monark, ficou sabendo do bloqueio de seu canal no YouTube quando estava ao vivo em uma live com o deputado cassado Arthur do Val.

O próprio Monark entendeu que a decisão judicial aconteceu após a divulgação de um vídeo com fake news sobre supostas fraudes nas eleições brasileiras, mas se revoltou.

"Não foi o YouTube que censurou meu canal, foi o judiciário, isso se chama censura estatal, não tem outro nome. É censura sim e é errado. Se você está defendendo isso só porque não gosta de mim, você simplesmente está entregando a sua liberdade e seus direitos motivado pelo ódio", escreveu no Twitter.

Ex-aliado de Bolsonaro e amigo de Monark, como ele mesmo definiu, Arthur do Val, porém, criticou o influenciador pela divulgação do vídeo.

"É crime, eu concordo com isso", disse Do Val. "A live do argentino (na qual foram divulgadas as notícias falsas) é basicamente um atentado contra a nossa democracia. Ele está mentindo sobre nosso processo eleitoral, e você não pode fazer isso (divulgar) quando tem pessoas na rua quebrando tudo e querendo matar outras pessoas por causa disso."

Monark já havia sido demitido do Flow Podcast em fevereiro, ao defender o direito de nazistas se organizarem em um partido político "reconhecido por lei".

Outro influenciador que teve a conta bloqueada, mas no Twitter, foi o ex-BBB e ex-comentarista político da Jovem Pan Adrilles Jorge. Ele considerou que a decisão aconteceu após suas declarações sobre um possível "estado de censura no Brasil".

"Acabam de bloquear a minha conta no Twitter. Não sei por quê. E eu não conclamei ninguém a golpe nenhum. Eu sequer insuflei multidão. Eu não expus relatório de nenhum argentino. Eu simplesmente reclamei da falta de liberdade. Disse simplesmente que a gente podia estar em um estado de censura no Brasil."

Deputados bloqueados

Também na terça-feira (8), os deputados bolsonaristas José Medeiros (PL-MT) e Gilberto Silva (PL-PB) tiveram seus perfis oficiais no Twitter derrubados por decisões judiciais.

O mesmo já havia acontecido, por exemplo, com a deputada Carla Zambelli (PL-SP), que vinha atacando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e incitando as manifestações golpistas por todo Brasil.