Mônica Martelli revela ter sido vítima de estupro na adolescência

A atriz só se deu conta de que foi abusada anos depois do episódio violento

Mônica Martelli sofreu abuso aos 14 anos (Vitor Eduardo / AgNews)
Mônica Martelli sofreu abuso aos 14 anos (Vitor Eduardo / AgNews)

Resumo da notícia:

  • Atriz confessou violência sofrida aos 14 anos

  • O abuso veio de um menino que Mônica era apaixonada

  • Ela só se deu conta da violência anos depois

A atriz Mônica Martelli, de 54 anos, revelou que foi vítima de estupro quando ainda era uma adolescente. A estrela de "Os Homens São de Marte... E É Pra Lá que Eu Vou" sofreu abuso sexual quando tinha 14 anos. O abusador em questão era conhecido da atriz e aproveitou que a artista era apaixonada por ele.

"Eu tinha 14 anos e não foi fácil. A questão é a seguinte: Eu sou de uma época em que você ter uma luta corporal com o menino era normal. Você beijava o menino, ela vinha com a mão no peito. Você tirava a mão no peito, ele [colocava] a mão na bunda. Então você passa a noite beijando e na luta corporal, entendeu? E isso era normal", relatou a atriz em entrevista ao podcast "Quem Pode, Pod", de Giovanna Ewbank e Fernanda Paes Leme.

Mônica só se deu conta do abuso sofrido recentemente. Foi nessa luta corporal relatada pela atriz que o abusador a estuprou. A artista ressalta que na época em que era jovem, o estupro era conhecido apenas como "um beco escuro, um cara com capuz e uma faca".

Para a atriz, a consciência só veio após as novas discussões sobre o abuso na sociedade. Quando ela percebeu que, na verdade, o estupro é simplesmente você não querer. "Se você fala não e ele forçar é estupro. Ali eu falei: então, eu fui estuprada. Não queria, foi essa luta corporal. Acabou que rolou, foi legal, eu era apaixonada pelo cara, mas eu não queria, não queria naquele dia, naquele lugar", afirmou.

A artista ressaltou então que foi criada em um lar feminista e sua mãe lia Simone de Beauvoir, ícone do movimento, para ela. Mesmo assim, a concepção era de que o comportamento era natural. Ela pede ainda que haja uma consciência do novo feminismo para que exista essa noção da violência sofrida.