Montagem distorce declaração de Lula sobre maioridade penal

AP Photo/Leo Correa

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um comentário minimizando a necessidade de punição a menores de 18 anos que cometam assassinatos e defendendo que adolescentes de 16 e 17 anos não sejam responsabilizados por crimes está sendo atribuído, nas redes sociais, ao candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o falso viral, Lula teria dito: "Sou totalmente contra prender menor que mata pessoas. Devemos coloca-lo na escola para reeduca-lo. Quem morreu, morreu não volta mais. Agora deixar preso um muleque só porque ele matou, sou contra".

Na montagem enganosa, há também uma foto de Lula e a logomarca da revista Época, como se a declaração fizesse parte de algum conteúdo da publicação -o que também é mentira. O texto ainda tem erros de ortografia, acentuação e pontuação.

Procurada pelo projeto Comprova, coalizão de 24 organizações de mídia brasileiras, dentre elas a Folha de S. Paulo, que visa identificar, checar e combater rumores, manipulações e notícias falsas sobre as eleições de 2018, a revista informou que jamais publicou a declaração.

O Comprova também não encontrou registros de nenhum discurso ou entrevista que coincida com a fala disseminada na internet. A única reportagem publicada pela revista Época em que Lula comenta a maioridade penal é de 3 de julho de 2015 e tem o título: "Lula diz que violência não se resolve 'colocando jovens na cadeia'". O texto reproduz declarações dadas pelo ex-presidente durante evento da FUP (Federação Única dos Petroleiros), em Guararema (SP).

"Será que o Estado brasileiro cumpriu com suas obrigações com os jovens de 16 anos? Será que oferecemos a educação necessária? Será que oferecemos oportunidades para esses jovens terem opção?", disse Lula, de fato, durante discurso. "O Estado que não cumpriu com suas obrigações resolve acabar com a violência colocando moleque na cadeia", prosseguiu. "Mas o que essa meninada está precisando é de oportunidade, não de cadeia." 

De acordo com a Época, esta é "a única reportagem da revista que relaciona Lula com o tema". "Quem quer que tenha produzido esta imagem modificou o sentido da declaração. Além disso, ao descontextualizar a citação e -sem permissão- inserir o logotipo da Época na imagem, provavelmente tinha a intenção de causar um efeito distinto do pretendido originalmente pela matéria", afirmou a publicação em nota enviada ao Comprova.

O tema estava em evidência na ocasião porque a Câmara dos Deputados havia aprovado em primeiro turno emendas à PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 171/1993 para reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes hediondos como estupro, latrocínio e lesão corporal seguida de morte.

Outros veículos fizeram a cobertura jornalística do evento da FUP, mas em nenhum deles Lula aparece dizendo ser contra prender um adolescente "só porque ele matou". O material preparado pela FUP também não faz menção a isso.

A assessoria do ex-presidente disse ao Comprova que Lula é contra a diminuição da idade mínima para aplicação das leis penais, mas frisou que o petista jamais fez o comentário atribuído a ele.

Após aprovada em segundo turno na Câmara, em 19 de agosto de 2015, a PEC foi encaminhada para apreciação no Senado, onde ganhou o número 115/2015. A proposta ainda não entrou em vigor e está parada na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania do Senado. 

O primeiro registro da declaração falsamente relacionada a Lula encontrado pelo Comprova é de 2 julho de 2015, no Facebook e no Twitter. Exatamente o mesmo dia da primeira aprovação da PEC na Câmara dos Deputados. Também no dia 3, o site Jo Notícias fez um publicação com a falsa declaração. 

Antes da participação no evento da FUP, Lula afirmou, em 1º de maio de 2015, durante evento do Dia do Trabalhador, em São Paulo, ser "bem possível que muitos jovens cometam crimes", mas ponderou que era necessário apontar o "crime do Estado brasileiro" contra eles "ao longo de 500 anos".

A verificação da montagem foi uma sugestão enviada ao Comprova pelo WhatsApp do projeto.

MANUAL PARA NÃO PROPAGAR FAKE NEWS

- Busque a fonte original

- Faça uma busca na internet: muitos casos já foram desmentidos

- Cheque a data: a "novidade" pode ser antiga

- Leia a notícia inteira

- Cheque o histórico de quem publicou

- Se a notícia não tem fonte, não repasse