Moody's corta rating da Cielo, cita queda do lucro e aumento da concorrência

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de classificação de risco Moody's cortou nesta quinta-feira o rating da Cielo de Ba1 para Ba2, com perspectiva estável, citando a queda na participação de mercado e dos lucros da maior empresa de pagamentos do país.

"Embora o mercado brasileiro de cartões e pagamentos eletrônicos apresente fundamentos de crescimento de longo prazo favoráveis, a Moody's acredita que a concorrência continuará a aumentar, não só de outros adquirentes que estão reduzindo os preços, mas de meios de pagamento alternativos, desenvolvimentos tecnológicos e regulatórios", afirmou a Moody's no relatório.

A agência citou entre outros fatores que o Ebitda da Cielo caiu de 8,2 bilhões de reais em 2016 para 2,7 bilhões em 2020, e previu que Ebitda da companhia será de, em média, 3 bilhões de reais anuais nos próximos dois anos.

(Por Aluísio Alves)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos