Moradora é baleada durante operação policial no Complexo do Lins, no Rio

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Uma mulher foi baleada nesta terça (17) durante uma operação da Polícia Civil no Complexo do Lins, zona norte do Rio de Janeiro. A corporação afirma que, conforme perícia realizada no local, a vítima foi atingida por um tiro de pistola disparado por criminosos contra os agentes.

Ieda Vidal do Carmo foi levada pelos policiais ao Hospital Marcílio Dias, onde passou por cirurgia. Ainda não há informações sobre o estado de saúde dela.

O objetivo da chamada Operação Torniquete, segundo a corporação, é reprimir o roubo de cargas e veículos na região. Até as 17h desta terça, 11 pessoas haviam sido presas e seis veículos tinham sido recuperados.

Relatório divulgado na semana passada pelo Instituto Fogo Cruzado mostrou que, em seis anos, mil pessoas foram atingidas por balas perdidas no estado do Rio. A maior parte dos casos ocorreu durante ações ou operações policiais.

Durante a operação, que contou com helicópteros e veículos blindados, intensos tiroteios foram registrados na comunidade. Nas redes sociais, moradores compartilharam vídeos com relatos dos momentos de tensão. "Muitos tiros no Complexo do Lins", escreveu um usuário.

As investigações, diz a polícia, apontaram que o Complexo do Lins se tornou uma das bases operacionais de uma das maiores facções criminosas do estado do Rio de Janeiro.

Segundo os agentes, a quadrilha fornece fuzis, pistolas e granadas para a prática de roubos de cargas e veículos em diversos bairros da capital e em municípios da região metropolitana e da Baixada Fluminense. De acordo com a corporação, tanto carga como veículos roubados têm sido levados para o Complexo do Lins e outras comunidades dominadas pela mesma facção.

A investigação revelou ainda a prática de outros delitos pelos criminosos, como clonagem de veículos para posterior revenda ou troca por armas e drogas; desmanche de carros para revenda de peças; e uso dos automóveis roubados para deslocamento, entre outros.

A operação desta terça foi deflagrada pelo Departamento Geral de Polícia Especializada, com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais.