Moradora de rua que improvisou quarto em ponto de ônibus aceita ir para abrigo

Quarto montado por Carmem em ponto final da linha 712, em Cascadura

A trajetória de Carmem, após dez anos vivendo nas ruas, parece ter encontrado um fim. A travesti aceitou ontem ir para um abrigo municipal. Na última quarta-feira, o EXTRA mostrou o quarto improvisado que Carmem, de 37 anos, montou há cerca de um mês num ponto de ônibus em Cascadura, na Zona Norte do Rio. No mesmo dia, a prefeitura desmontou o acampamento.

Mesmo após perder o quartinho no ponto final da linha 712 (Cascadura-Irajá), Carmem resistia à ideia de ser acolhida num abrigo municipal.

— Abrigos de prefeitura, em qualquer lugar, são malcuidados. Não é todo mundo que sabe lidar com homossexuais, então, eu prefiro ficar na rua. Lá (no abrigo), é briga toda hora. De repente você está dormindo, e alguém pode tentar abusar de você — disse ela no dia em que seu quarto improvisado foi desfeito pela prefeitura.

Horas depois de recusar o acolhimento, porém, Carmem procurou o Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) Márcia Lopes, onde era assistida desde 2016, e atualizou seu cadastro no Bolsa Família.

Foi o primeiro passo para que a equipe da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos tentasse convencê-la a deixar a rua.

Ontem, ela se despediu da amiga que a ajudava enquanto vivia nas ruas e seguiu para um abrigo municipal. Além do acolhimento, Carmem também recebeu encaminhamento para a rede de saúde — ela é portadora do vírus HIV — e foi cadastrada no programa Acessuas, que prepara usuários dos programas de assistência social para o mercado de trabalho.

O caminho percorrido por Carmem até a decisão de ser acolhida começou no Pará, onde nasceu. No Rio, cursou até o ensino médio, mas não terminou os estudos. Deixou sua casa após desavenças com o pai, capitão do Exército, que não aceitava seu estilo de vida.

O quarto no ponto de ônibus foi montado com móveis jogados fora. Limpo e organizado, era decorado com cama, tapete, colcha, poltrona, travesseiro, flores, cômoda, lixeira e quadro na parede. Não se sabe como será arrumado o cantinho de Carmem no abrigo, mas pelo sorriso na despedida, ela parece estar decida a colocar um ponto final na vida nas ruas.