Moradora de São João de Meriti encontra família biológica um dia após iniciar buscas nas redes sociais

·3 minuto de leitura

Moradora de São João de Meriti, Bianca Maria Coelho, de 31 anos, sempre soube que era adotada, e sonhava em ter irmãos. Filha única, ela viu sua vida se transformar após resolver procurar sua mãe biológica. Hoje com quatro filhos, a meritiense descobriu uma nova família depois de iniciar buscas no Facebook. Agora, irmãos não faltam mais: ela ganhou sete.

— Há duas semanas pensei em procurar a minha mãe biológica, porque a minha mãe adotiva já é de idade e meu pai já faleceu. Me deu aquela vontade de saber quem eu sou, se tenho avós, tias... Só que eu não sabia onde procurar, porque o hospital que eu nasci fechou — conta Bianca.

Bianca entrou em grupos no Facebook de pessoas que buscam familiares, e recebeu algumas dicas que foram importantes para que ela conseguisse localizar e conhecer sua família biológica.

— Era um grupo de pessoas de vários estados. Lá me falaram para eu procurar na região onde eu morava, então fiz um post numa página de São João de Meriti. A publicação foi feita em14 de junho. No dia seguinte, Bianca já estava na casa da mãe biológica para conhecer a toda família, que mora a apenas 2km de sua casa:

— Foi aquela emoção, porque eu nunca tinha tido irmãos, e ao todo somos oito. Conheci minha mãe, minhas tias e ainda tem mais gente para conhecer, porque a família é grande.

As únicas informações que Bianca tinha sobre a mãe biológica era o nome e uma suspeita de onde ela morava. Pouco tempo depois, uma prima da nova família viu a publicação e entrou em contato.

— Minha mãe sempre contou para a gente que tinha uma filha que foi para adoção. Eu não sabia quem era. Quando vi o post, pensei: “nossa, parece muito com a gente”. Mandei para minha irmã mais velha, e ela falou que era a filha da nossa mãe - conta Daniel Baptista, o irmão mais novo, de 20 anos.

Sem mágoas

O reencontro de Bianca com a mãe biológica, a advogada Elma de Souza, de 79 anos, e com os irmãos, foi marcado por muito choro, no último dia 15. A adaptação aconteceu de maneira rápida, e a filha logo passou a sentir em casa.

— Eu não parava de chorar quando vi a Bianca. Ela é idêntica a nós. Minha mãe estava muito feliz. No primeiro dia, a Bianca já estava chamando a gente de irmão, de mãe... Foi bonito — conta o irmão, Daniel.

Bianca afirma que não guarda mágoas de sua mãe biológica e que é muito grata pela família que a adotou.

— Ela não tinha condições, por isso não a julgo. Foi como eu disse para ela, não posso julgá-la porque fui adotada por uma família exemplar. Até hoje minha mãe adotiva me ajuda, se sacrifica por mim e pelos meus filhos — relata Bianca, que retornou ao grupo do Facebook para deixar uma mensagem de esperança:

— Publiquei lá que se eu encontrei a minha família depois de 31 anos, qualquer um ainda pode encontrar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos