Moradores de comunidade do Rio fazem ato após estudante morrer por bala perdida

Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil

Moradores do Morro da Pedreira, em Acari, zona norte do Rio, fazem manifestação agora à noite (30), fechando as pistas da Avenida Brasil nos dois sentidos, em protesto contra a morte da estudante Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, morta por uma bala perdida, quando fazia aula de educação física hoje à tarde na quadra da Escola Municipal Daniel Piza, que fica no bairro.

No local, policiais militares do Batalhão de Irajá, responsável pelo policiamento na área, trocaram tiros com dois homens que faziam assaltos na região. Eles foram baleados e morreram. Com a dupla, os militares apreenderam um fuzil e uma pistola automática. Vídeos divulgados pelas redes sociais mostram quando os dois homens estão caídos no chão, do lado de fora do muro da escola, aparentemente feridos, e são executados pelos militares.

A Polícia Militar informou, em nota, que, segundo o comando do 41º Batalhão (Irajá), policiais da unidade foram acionados nesta tarde para intervir em ação de criminosos que estavam praticando crimes na Rua Prefeito Sá Lessa, na Fazenda Botafogo, próximo ao Rio Acari. Houve confronto, os dois acabaram feridos e morreram.

Em seguida, os policiais receberam a informação de que uma adolescente teria sido atingida por um disparo de arma de fogo dentro da Escola Municipal Daniel Piza e não resistiu ao ferimento. A área foi isolada para realização da perícia.

A assessoria de Imprensa da Polícia Militar também esclareceu que o comando da Corporação teve conhecimento do vídeo que circula nas redes sociais e mostra a atuação de policiais militares na área da Fazenda Botafogo na tarde desta quinta-feira. Segundo a nota, em virtude do que é exposto, o Comando-Geral determinou que a Corregedoria Interna da Polícia Militar assuma a "apuração da flagrante ilegalidade" e responsabilize os envolvidos.

Protesto

No início da noite, populares iniciaram ações de vandalismo pela Avenida Brasil, na altura do bairro Barros Filho. Policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais e de outras unidades da PM estão no local, com o intuito de restabelecer a ordem na região. Devido à manifestação, o trânsito está com mais de 7 quilômetros de congestionamento nos dois sentidos. Os moradores atearam fogo em sacos de lixo e pedaços de madeira e sentaram nas pistas, paralisando o tráfego de veículos em vários momentos.

A tropa de choque da corporação foi acionada e um carro blindado da corporação está no local para garantir a segurança. Houve arrastões contra motoristas e passageiros de ônibus que estão presos no congestionamento e os autores dos crimes, em seguida, correram para dentro da comunidade de Acari.

Em nota, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, diz que lamenta profundamente a morte da estudante. A prefeitura determinou que as equipes das secretarias de Educação, Esportes e Lazer e Assistência Social e Direitos Humanos prestem todo o apoio às necessidades da família da vítima.