Moradores e comerciantes das zonas oeste e norte de São Paulo sofrem com a chuva

ALFREDO HENRIQUE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Moradores e comerciantes da zonas oeste e norte de São Paulo estão enfrentando um dia difícil nesta segunda-feira (10) por causa da chuva. Às 14h, o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), da prefeitura, gestão Bruno Covas (PSDB), apontava 89 pontos de alagamentos ativos na capital paulista e muitos deles nestas regiões da cidade.

Por volta de 13h, a professora Fátima Jani, 59 anos, estava parada no trânsito na Lapa (zona oeste) e tentava voltar para casa na Freguesia do Ó, na zona norte. Ela havia saído às 5h de Ibiúna (69 km de SP), onde foi resolver questões familiares. Ela estava preocupada, pois realizou a viagem com a filha de 17 anos e três cachorros, sendo um de grande porte. Todos estavam no carro.

Segundo o CGE, Lapa e Freguesia do Ó estão entre os bairros onde mais choveu na capital desde o início da madrugada, com 132,7 mm e  119,1 mm, respectivamente (veja abaixo os principais índices). 

"Estou tentando ir para casa faz quase oito horas. Em dias normais, essa viagem dura duas horas", afirmou. 

A professora criticou quem joga lixo na rua, proporcionando alagamentos como os registrado na cidade nesta segunda. "Além disso, falta estrutura na cidade para combater enchentes e em São Paulo tem muito carro e muito lixo", disse.

A chuva que cai em São Paulo nesta segunda também impactou a rotina de comerciantes. 

O dono de restaurante Sidnei Lucena, 30, afirmou que caiu em cerca de 30% a quantidade de clientes que vão almoçar no local, também na Lapa. "Minha sorte é que a maioria do pessoal mora aqui no bairro, mas quem mora longe não conseguiu chegar", afirmou. 

O empresário disse que cinco de seus funcionários não conseguiram ir trabalhar e que alguns donos de restaurante não tiveram a mesma sorte que ele, pois nem chegaram a abrir as portas. 

Em frente ao restaurante de Lucena funciona a doceria de Gisele Muniz, 37. Ela afirmou que normalmente na parte da manhã, entre 25 e 30 pessoas costumam comprar doces no local. Porém, nesta segunda, ela disse que somente cinco clientes apareceram no comércio. "Está tudo bem vazio, essa chuva prejudicou demais meus negócios", desabafou.

Um entregador de comida afirmou que todos os pedidos feito na região da zona norte estavam sendo cancelados. "Não dá para chegar lá de moto, só de barco", ironizou.

Os locais onde mais choveu foram:

Zona Oeste - 110,9mm

Centro - 113,4mm

Zona Norte - 109,4mm

Zona Leste - 82,3mm

Zona Sul - 68,4mm  

Em bairros

Zona Norte

Casa Verde - 117,8mm

Freguesia do Ó - 119,1mm

Vila Maria/Guilherme - 109,4mm

Pirituba/Jaraguá - 111,0mm

Perus - 105,7mm

Santana - 114,1mm  

Zona Leste

Ermelino Matarazzo - 102,1mm

Itaim paulista - 109,7mm

São Miguel paulista - 111,2mm

Centro

Consolação - 126,0mm

Sé - 100,7mm

Zona Oeste

Lapa - 132,7mm

Pinheiros - 106,0mm 

Segundo dados do CGE, entre às 7h e 13h choveu na cidade de São Paulo, 88,7 mm o que equivale a 40,9%% da média esperada para o mês, que é de 216,7 mm. No mês, até hoje às 13h já foram contabilizados 208,0 mm, ou seja, já choveu cerca de 96%. 

 

Fonte: CGE

Galeria Alagamento na Barra Funda Forte chuva alaga condomínio na Barra Funda https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1658159080346103-alagamento-na-barra-funda