Moraes converte prisão de Roberto Jefferson em preventiva: 'Ocultou armas e montou arsenal bélico'

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes converteu a prisão em flagrante do ex-presidente do PTB Roberto Jefferson em prisão preventiva (sem prazo) e argumentou que ele "ocultou armas" durante o período em que estava em prisão domiciliar e "montou o arsenal bélico amplamente descrito pela Polícia Federal".

Moraes afirmou que o cumprimento da prisão pela Polícia Federal no último domingo, à qual Jefferson reagiu com tiros e granadas, resultaram em "um verdadeiro confronto de guerra". Após a ação, a PF apreendeu mais de 7 mil cartuchos de munição na residência dele.

"Os fatos, portanto, são gravíssimos pois há severos indícios de que, em período em que cumpriu prisão preventiva e prisão domiciliar por ordem desta Suprema Corte, o preso ocultou as armas que possuía e, posteriormente, montou o arsenal bélico amplamente descrito pela Polícia Federal".

Por isso, para Moraes, a liberdade de Roberto Jefferson representaria um risco à ordem pública, sendo a prisão a única medida possível no atual cenário.