Moraes determina que Polícia Rodoviária Federal garanta 'pleno transporte público aos eleitores'

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, determinou neste sábado que a Polícia Rodoviária Federal ajude no sistema de transporte de eleitores, e deu o prazo de quatro horas para que a Polícia Federal esclareça todas as operações realizadas pelo Ministério da Justiça para evitar crimes eleitorais.

Na manhã deste sábado, o ministro da Justiça, Anderson Torres, divulgou vídeo afirmando que está liderando uma "grande operação para evitar crimes eleitorais, como boca de urna, compra de votos e transporte irregular de eleitores" junto a 10 mil policiais federais e 500 mil agentes das forças de segurança estaduais. O ministro também relatou que a operação apreendeu R$ 5 milhões em dinheiro nesta sexta-feira.

Na decisão, o ministro afirma que "há notícias de iniciativas que podem ter influência no pleito eleitoral, sendo, portanto, de competência desse TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL fiscalizar a lisura dos procedimentos de maneira que não se altere a paridade nas eleições".

A determinação do presidente do TSE foi dada após um pedido feito pelo deputado federal Paulo Teixeira, que integra a coordenação da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O parlamentar acionou a Corte para que fossem tomadas providências a fim de impedir a atuação da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal em favor da campanha de Jair Bolsonaro (PL).

"É necessário registrar que toda essa ambiência, síncrona ao calendário eleitoral, insere-se em um estratagema levado à efeito pela campanha do candidato Bolsonaro 'com a finalidade de tumultuar o segundo turno', como foi recentemente constatado por essa corte", afirma a notícia-crime.