Moraes diz que ataques terroristas à democracia serão responsabilizados

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  12-12-2022, O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e o vice presidente eleito Geraldo Alckmin recebem os diplomas dos cargos, em cerimônia no TSE (Superior Tribunal Eleitoral), das mãos do presidente do tribunal, Ministro Alexandre de Moraes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 12-12-2022, O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva e o vice presidente eleito Geraldo Alckmin recebem os diplomas dos cargos, em cerimônia no TSE (Superior Tribunal Eleitoral), das mãos do presidente do tribunal, Ministro Alexandre de Moraes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que "os desprezíveis ataques terroristas à democracia e às instituições republicanas serão responsabilizados".

Moraes também afirmou que o mesmo acontecerá com os financiadores, instigadores, anteriores e atuais agentes públicos que continuam na ilícita conduta dos atos antidemocráticos".

"O Judiciário não faltará ao Brasil", disse o ministro, em publicação, feita em sua conta oficial do Twitter.

Durante os atos golpistas realizados por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), manifestantes depredaram uma porta onde consta o nome de Moraes no STF.

A foto e vídeos da porta viralizaram entre grupos bolsonaristas nas redes sociais, além de imagens de depredação de outros itens da corte, como um crucifixo, a cadeira da presidente do STF, Rosa Weber, assinada pelo designer Jorge Zalszupin e a escultura "A Justiça", de Alfredo Ceschiatti.

Moraes, que também é presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), teve atuação intensa durante a campanha eleitoral em defesa das instituições e no combate às fake news.

Ele é relator de inquéritos que atingem o ex-presidente e seus aliados por envolvimento em atos antidemocráticos e disseminação de informações falsas. Moraes já foi alvo de ataques proferidos por Bolsonaro e seus apoiadores.

A presidente do STF disse em nota que o edifício-sede da corte, patrimônio histórico dos brasileiros e da humanidade, "foi severamente destruído por criminosos, vândalos e antidemocratas".

Também afirmou que o tribunal "atuará para que os terroristas que participaram desses atos sejam devidamente julgados e exemplarmente punidos e que o prédio histórico será reconstruído", afirmou.