Moraes empareda PL e pede que legenda inclua em sua ação contra urnas votos no 1º turno

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  30-10-2022 O presidente do TSE , Alexandre de Moraes em coletiva de imprensa no TSE (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 30-10-2022 O presidente do TSE , Alexandre de Moraes em coletiva de imprensa no TSE (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Alexandre de Moraes, determinou que o PL adicione em seu pedido de anulação de votos urnas eletrônicas também utilizadas no primeiro turno das eleições.

Nesta terça-feira (22), o partido do presidente Jair Bolsonaro decidiu pedir ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) --mesmo sem apresentar provas de fraude-- a invalidação de votos depositados em urnas que, segundo a legenda, apresentaram "desconformidades irreparáveis de mau funcionamento".

Pouco depois do anúncio, Moraes determinou o aditamento do pedido no prazo de 24 horas.

"As urnas eletrônicas apontadas na petição inicial foram utilizadas tanto no primeiro turno, quanto no segundo turno das eleições de 2022. Assim, sob pena de indeferimento da inicial, deve a autora aditar a petição inicial para que o pedido abranja ambos os turnos das eleições, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas", decidiu o ministro.

Ao ampliar o escopo da ação do PL, Moraes busca emparedar o partido. A legenda de Bolsonaro foi a que mais cresceu nas eleições e, no primeiro turno do pleito, se converteu na maior bancada na Câmara (99 deputados) e no Senado (14 senadores). Ou seja: caso insista na tese, o PL estaria endossando uma ação judicial que, em tese, tem potencial de prejudicar as vitórias eleitorais do próprio partido.