Moraes exclui PP e Republicanos da ação em que aplicou multa milionária a partidos da coligação de Bolsonaro

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, atendeu a um pedido feito pelo PP e pelo Republicanos, que integraram a coligação da candidatura de Jair Bolsonaro (PL) à reeleição, e excluiu os dois partidos da decisão que condenou o partido do presidente ao pagamento de multa de R$ 22, 9 milhões e bloqueio do fundo partidário. Dessa forma, apenas o PL será penalizado por solicitar à Corte a revisão das urnas usadas no segundo turno das eleições.

Veja também: Moraes nega transferência de Roberto Jefferson do presídio para hospital particular

Transição: Equipe de Lula trava disputa com Ministério da Saúde para ter acesso a dados estratégicos

O PP e o Republicanos entraram com recurso nesta quinta-feira à noite contra a decisão do presidente da Corte. A sentença de Moraes foi proferida na última quarta-feira na ação em que o PL questiona a segurança de parte das urnas usadas, exclusivamente, no segundo turno das eleições.

Embora o processo tenha sido formalizado em nome da coligação, Republicanos e PP, após serem atingidos pela determinação de Moraes, entraram com recurso para alegar que não endossam a tese do PL. Na prática, as legendas queriam ficar de fora da decisão do ministro e alegam que não foram consultadas pelo PL a respeito da ofensiva judicial.

Leia: Grupo da transição planeja recriar Ministério do Desenvolvimento Agrário com foco no combate à fome

Saiba mais: Diretor-geral da PRF vira réu por improbidade administrativa, mas Justiça adia decisão de afastamento por férias do agente

Na decisão desta sexta-feira, Moraes afirma que ambos os partidos, Progressistas e Republicanos, afirmaram, expressamente, "que reconheceram publicamente por seus dirigentes a vitória da Coligação Brasil da Esperança nas urnas, conforme declarações publicadas na imprensa e que, em momento algum, questionaram a integridade das urnas eletrônicas, diferentemente do que foi apresentado única e exclusivamente pelo Partido Liberal".

Ainda de acordo com o presidente do TSE, os partidos demonstraram que o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, não tem procuração específica para falar em nome da coligação em ação ou representação à Justiça.

O que, segundo Moraes, "corrobora a patente má-fé do Partido Liberal na propositura da presente ação que, sem qualquer conhecimento dos demais partidos componentes da Coligação, propôs - em seu nome - a presente demanda".

Entenda: Polícia Civil investiga pichações com apologia à ditadura militar nas fachadas do TRE e da OAB em Nova Friburgo

São Paulo: Kassab se fortalece em disputa com bolsonaristas e será secretário de Tarcísio

Por isso, determinou a exclusão das duas legendas da ação, assim como o imediato cancelamento do bloqueio e da suspensão dos respectivos fundos partidários do Progressistas e do Republicanos, "mantendo-se a condenação por litigância em má-fé única e integralmente em relação ao Partido Liberal".

Na quarta-feira, o ministro Alexandre de Moraes aplicou uma multa de R$ 22,9 milhões à coligação de Bolsonaro por litigância de má-fé em razão do pedido de auditoria das urnas usadas no segundo turno. O ministro ainda incluiu o presidente do PL no inquérito das milícias digitais, e determinou o bloqueio do fundo partidário das legendas que integram a coligação