Moraes garante transparência nas eleições em reunião com observadores internacionais

Ministro Alexandre de Moraes aproveitou para reforçar que urnas são seguras - Foto: REUTERS/Adriano Machado
Ministro Alexandre de Moraes aproveitou para reforçar que urnas são seguras - Foto: REUTERS/Adriano Machado
  • Alexandre de Moraes garante que eleições serão seguras, transparentes e confiáveis;

  • Ministro participou de reunião com observadores internacionais das eleições;

  • Ministra Rosa Weber, do STF, também discursou a favor da democracia.

O ministro Alexandre de Moraes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se reuniu nesta quinta-feira (29) com observadores internacionais das eleições. Na ocasião, ele garantiu que o pleito, marcado para o próximo domingo (2), transcorrerá dentro da normalidade.

"A Justiça Eleitoral garantirá que o exercício da democracia será de maneira segura, transparente e confiável", declarou, acrescentando que o Brasil vive seu maior período de estabilidade na democracia e que “mais de 156 milhões de brasileiros” se dirigirão “no domingo para escolher seus representantes” em eleições limpas.

Moraes aproveitou para reforçar o quão seguras são as urnas, tema que tem abordado com frequência. Nesta quarta-feira (28), ele recebeu representantes de entidades do governo federal e de partidos políticos para mostrar que a sala de totalização de votos não é secreta nem escura.

No encontro desta quinta, também estiveram presentes o presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Rosa Weber, que destacou que a democracia não se resume à escolha de candidatos e inclui "diálogo, tolerância, convivência pacífica com os defensores de ideais antagônicas".

"A democracia exige a observância das regras do jogo. Nela, não se faculta à vontade da maioria, cuja legitimidade não se contesta, suprimir ou abafar a opinião dos grupos minoritários, muito menos tolher-lhes os direitos assegurados constitucionalmente", disse.

Ela ainda repudiou discursos de ódio e práticas de intolerância, além de defender a liberdade de imprensa. "Estamos certos da atuação sempre firme do TSE a assegurar que nada tumultue a escolha livre e consciente dos cidadãos brasileiros do que entendam ser o melhor para o país, em absoluto respeito ao processo democrático, tal como ocorreu em 2018, quando, na presidência do TSE, diplomei os candidatos vencedores nas urnas", finalizou.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: